Um alerta de pesquisadores europeus, revelou que uma doença sexualmente transmissível pouco conhecida, causada por uma bactéria, a Mycoplasma genitalium (MG), pode criar uma superbactéria que resiste aos tratamentos com os antibióticos mais utilizados no mundo.

A bactéria já se mostrou resistente a alguns deles e, na Inglaterra [VIDEO], especialistas de Saúde trabalham para evitar que a situação se torne um caso de emergência pública. O objetivo principal é identificar e tratar o organismo de forma mais eficaz, mas o alerta para o uso de camisinha como prevenção também está sendo feito.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Saúde

Sintomas

A Mycoplasma genitalium pode ser transmitida através de relações sexuais com pessoas contaminadas. Nas mulheres, a bactéria pode causar a inflamação dos órgãos reprodutivos, provocando febre, dor, sangramento e infertilidade.

Nos homens, ela causa secreção pelo órgão reprodutor, devido a uma inflamação na uretra, levando a dor na hora de urinar.

Porém, os sintomas desta infecção podem ser confundidos com os de outras DST's, como a clamídia, que acontece em maior frequência no Brasil.

Antibióticos ineficazes

A ocorrência da doença é mais comum na Europa, mas, o Ministério da Saúde [VIDEO], no Brasil, afirmou que monitora a ação da bactéria devido ao aumento da resistência a antibióticos e ao crescimento de casos em solo nacional. Devido à notificação da infecção causada pela MG não ser compulsória, Estados e municípios ainda não são obrigados a relatar todos os casos da doença, tornando difícil a tarefa de definir o número de pessoas afetadas no país.

No Reino Unido, a situação preocupa. A taxa de erradicação da Mycoplasma genitalium após o tratamento com macrolídeos, como a azitromicina, está diminuindo.

Até 2009, quase todas as infecções causadas pela MG eram sensíveis aos antibióticos macrolídeos no país, porém, essa eficiência é estimada em somente 40% atualmente.

Prevenção

Novas formas de identificar e combater a bactéria estão sendo apresentadas na Grã-bretanha. Já é possível utilizar alguns testes para detectar a presença da MG, mas ainda estão disponíveis em poucas clínicas da Inglaterra.

Especialistas em DSTs recomendam que as pessoas tomem cuidados especiais com a Mycoplasma genitalium, alertando para a necessidade do uso frequente da camisinha.

No Brasil, a camisinha masculina ou feminina é fornecida gratuitamente pelo SUS, nas unidades de saúde de todo o país. E, apesar da situação em relação a MG não ser tão alarmante quanto no Reino Unido, a prevenção é sempre o melhor remédio nesses casos.