A paralisia do sono ainda é, para a medicina, um fenômeno desconhecido em sua totalidade, mas há várias tentativas de explicação, especialmente por parte da neurologia.

Há muitas pesquisas para verificar como o problema é acionado pela mente e como ele pode ser evitado. Quem já teve a experiência, conta que ela é assustadora e [VIDEO]muitas procuram ajudar médica para conviver com o problema.

Por que acontece

Uma pesquisa científica que culminou em uma teoria foi divulgada na revista Medical Hypotheses, na tentativa de explicar a alucinação como sendo uma maneira do cérebro se "defender" com a falta de descanso e lançar substâncias que causam alucinações com o objetivo de o corpo descansar, o que em parte é missão do sono durante.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Saúde

Desta forma, o cérebro poderia fazer uma projeção do "eu", que seria uma espécie de alucinação.

O sono é essencial para descanso do corpo e da mente. Quando nos preparamos para descansar o cérebro começa a relaxar nossos músculos e as funções dos órgãos permanecem, mas de maneira desacelerada, é nesse momento que ocorre o ciclo do sono, que passa por 6 fases, começando em sono leve e culminando em REM, que é a parte mais profunda do sono.

A paralisia acontece quando o corpo encontra-se na fase REM (Rapid Eyes Moviment - movimento rápido dos olhos) do sono. Nas pessoas que sofrem desse distúrbio, a mente acorda nesse momento, mas os músculos ainda estão no comando "sono" e portanto, ficam impossibilitados de movimentar-se, se enchendo de horror, uma vez que muitos relatos dão conta de que se escuta os barulhos que acontecem à sua volta e experimenta-se alucinações visuais e auditivas. A mais comum é a sensação de ter alguém sentado em seu peito, impedindo-o de respirar ou sufocando-o com as mãos em sua garganta.

Quem já passou por isso relata que as sensações e as alucinações são tão reais que afirmam estar acordadas e realmente presenciar os fenômenos. Isso faz com que uma série de superstições a respeito do assunto seja disseminada, aumentando assim o terror, que passa a ser também psicológico.

Pesquisas dão conta de que cerca de 40% da população já viveu essa experiência ao menos uma vez na vida e é mais comum entre jovens de 20 a 30 anos e que, por conta das obrigações, não dormem as horas necessárias para o descanso diário.

Como evitar

Uma vez que diferentes crenças podem influenciar o teor das alucinações, aconselha-se a piscar muitas vezes quando se encontrar nesse quadro para que o corpo, além da mente, também acorde.

Um estudo deu conta de que pessoas que sofrem desse problema com frequência [VIDEO], têm mais chance de desenvolver a depressão e, nesse caso, os profissionais procurados devem ser o Psiquiatra e Neurologista.

É importante relaxar já sabendo que nenhum mal pode de fato acontecer durante esse distúrbio que, quando chega a atrapalhar a rotina diária deve-se procurar outras soluções, fazendo exames e ouvindo a opinião de um médico Neurologista.