Atualmente, chegar aos 100 anos não é raro. Para as gerações atuais, os centenários se tornaram comuns. A tendência é que o número de idosos triplique e que as pessoas passem a viver mais. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a expectativa é de que até 2060, 32% da população brasileira será formada por pessoas com mais de 60 anos.

Este fenômeno do envelhecimento populacional vem sendo experienciado em diversos países. Conforme os dados do Gabinete de Estatísticas da União Europeia (Eurostat) de 2018, o número de europeus com 80 anos quase triplicará até 2080, atingindo 13% da população total.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Saúde

É indispensável estar preparado para esta etapa pois, além da longevidade, novos hábitos e desafios estarão presentes. Muitos deles diferentes dos vividos na velhice hoje em dia.

Durante o 13º Fórum da Longevidade da Bradesco Seguros, realizado nesta quarta-feira (21), em São Paulo. Palestrantes abordaram tópicos sobre os desafios de um futuro mais longevo e as soluções e recursos necessários para viver mais e melhor.

A importância da prevenção

Quando se fala de uma velhice mais longa, cuidar da Saúde é importante. Segundo a médica geriatra Maísa Kairalla, a melhor maneira de evitar doenças é incentivar, desde cedo, a cultura de cuidar do corpo e da mente.

O mapeamento genético também vem ajudando nesta questão, pois permite ter previsões de como a vida será. Podem ser avaliadas chances de desenvolver os cânceres mais conhecidos, possibilidade de hipertensão e Parkinson. Essas informações obtidas inicialmente podem ajudar as pessoas, ainda jovens, a tomar as devidas precauções e impedir o surgimento de algumas doenças.

A tecnologia aliada a uma vida mais longa

O envelhecimento é encarado pela maioria de forma negativa. As dificuldades físicas, o medo da solidão, a dependência e o sentimento de fardo se tornam presentes. Para um novo envelhecimento, enxergar as oportunidades são necessárias. De acordo com o jornalista Pedro Doria, escritor e especialista em inovação digital, a maneira como a tecnologia está se desenvolvendo faz com que as pessoas consigam levar a vida para bem mais adiante, com qualidade e saúde.

Algumas empresas já vêm trabalhando para direcionar tecnologias para este público. O Google Home é um exemplo disto, o alto falante inteligente controla e monitora toda a casa. Em caso de quedas o acidentado pode pedir para o aparelho ligar para alguém o ajudar. E há os relógios que acompanham batimentos e a pressão arterial 24h, oferecendo dados e alertas em casos de alterações.

As pessoas vão trabalhar mais

A vida mais extensa exige mais gastos. Isso fará com que muitas pessoas trabalhem até os 70, 80 anos.

Muitos pela renda, mas também porque o trabalho será um meio para os idosos se sentirem úteis e independentes. Os empregos também passaram por mudanças. O mundo terá menos oportunidades com a chegada da inteligência artificial. E será necessário que as pessoas se reinventem.

Além do planejamento de vida para o futuro, uma nova mentalidade e cuidados com a saúde serão diferenciais para encarar o futuro. Começar uma vida saudável mais cedo junto com as novidades trazidas pela tecnologia farão grande diferenças nessa questão e devem contribuir para o envelhecimento com saúde.