Neste sábado (18) foi registrada a morte da décima pessoa por intoxicação após consumir a cerveja Belorizontina, produzida pela fábrica Backer.

De acordo com informações da Polícia Civil do estado de Minas Gerais, Marco Aurélio Gonçalves Cotta estava internado em um hospital desde dezembro de 2019. Os policiais afirmaram que Marco Aurélio, um senhor de 65 anos, é a segunda pessoa que morreu em decorrência do consumo da cerveja dentro de uma semana.

Polícia Civil

A polícia civil informou que no dia 9 de junho deste ano, onze pessoas foram indiciadas após a identificação de 29 contaminados pela bebida.

As acusações que constam no inquérito são de lesão corporal, contaminação alimentícia, e homicídio culposo (sem intenção de matar). Ainda de acordo com os policiais, a investigação apontou que os técnicos da empresa Backer foram identificados como os principais responsáveis pelas contaminações.

O setor de produção da cervejaria Backer conta com seis técnicos e um chefe de manutenção, todos eles foram indiciados pelos crimes citados.

Três pessoas que trabalham na administração da empresa foram acusados de contaminação por produto alimentício e pela não divulgação do produto contaminado. Uma testemunha, que mentiu em seu depoimento, também foi indiciada. A identidade dos acusados não foram reveladas.

Contaminação

De acordo com as investigações, uma substância tóxica, dietilenoglicol, é utilizada pela fábrica no resfriamento externo de equipamentos usados na linha de produção. Tal substância acabou contaminando as bebidas através de rachaduras que, de acordo com os funcionários e responsáveis da Backer, não haviam sido identificadas.

A empresa se manifestou logo após o indiciamento e alegou que a conclusão da investigação não correspondia às provas coletadas.

Backer

A empresa Backer informou que não irá se manifestar sobre a morte de Marco Aurélio de 65 anos, também atribuída ao consumo de seu produto. Na quarta-feira (15), um homem de 66 anos, José Osvaldo de Faria, faleceu na capital do estado, no Hospital Madre Teresa.

José foi internado após consumir a bebida em fevereiro de 2019.

De acordo com a esposa de José, Eliana Reis, neste período em que estava hospitalizado ele perdeu a visão, sofreu paralisia nos membros inferiores e passou cinco paradas cardíacas. O esposo de Eliana foi uma das primeiras pessoas a sofrer a contaminação.

Tanto a morte de José quanto a de Marco Aurélio, que faleceu hoje, fazem parte do inquérito policial responsável pela investigação das contaminações e mortes causadas pela cerveja Backer.

Dietilenoglicol

Professores de química do estado de Minas Gerais explicam que o dietilenoglicol é um composto químico capaz de matar um ser humano mesmo que em quantidades mínimas. A ingestão de um grama por quilo é suficiente para um envenenamento letal.

Siga a página Polícia
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!