Na madrugada desta segunda-feira (20), as doses da vacina chinesa CoronaVac finalmente chegaram ao Brasil. As vacinas que serão testadas no país aguardam a liberação no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande SP, para serem encaminhadas ao Instituto Butantã, responsável pela aplicação da fase de testes.

De acordo com entrevistas fornecidas pelo Instituto Butantã e pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), a previsão é que a nova fase de testes inicie ainda hoje.

CoronaVac

De acordo com o diretor do Instituto Butantã, Dimas Covas, a vacina que chegou hoje ao Brasil é uma das mais promissoras do mundo.

Com a nova fase de testes aprovada pela Anvisa, a CoronaVac, criada pelo laboratório chinês Sinovac-Biotech, traz esperança diante da pandemia.

Coletiva de imprensa

Doria revelou em entrevistas anteriores a ansiedade por esse acontecimento. Após a chega das vacinas, ele comemorou em suas redes sociais, afirmando que a chegada das doses causa um sentimento de esperança e representa um grande avanço na batalha contra o coronavírus. O governador informa que será realizada uma coletiva de imprensa nesta segunda-feira, às 12h45, onde serão explicados todos os detalhes do estudo à população.

Testes

Os testes serão realizados no país em diversos centros de pesquisas espalhados por vários estados. 9 mil profissionais da área de Saúde são os voluntários do estudo, e como é de praxe em pesquisas medicamentosas, um dos grupos receberá apenas placebo, para que a eficácia da vacina possa ser comprovada.

Os estados participantes do estudo são: Minas Gerais, São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro e Distrito Federal.

Se os resultados dos testes forem eficientes, a vacina será disponibilizada para a população imediatamente. Sessenta milhões de doses da Coronavac estão reservadas para suprir as necessidades do país até que a vacina seja fabricada aqui no Brasil.

O custo de R$ 85 milhões da testagem garante a transferência de tecnologia para a produção.

A aplicação da vacina será realizada de acordo com os critérios do Ministério de Saúde.

Estudos primários

A vacina chinesa, que está na terceira fase de testes, teve resultados favoráveis que apontaram capacidade de resposta imune tanto em animais quanto em seres humanos saudáveis, e também foi considerada segura pela Anvisa.

O objetivo é que os testes sejam concluídos o mais rápido possível, sendo finalizados até o mês de outubro, e a partir de setembro cerca de 100 milhões de doses devem estar disponíveis.

De acordo com informações de Dimas Covas, a fábrica Sinovac tem alta capacidade de produção, podendo fornecer de 300 a 500 milhões de doses antes do final deste ano.

Em caso de sucesso nesta terceira fase de testes, o responsável no Brasil pela fabricação da vacina será a Bio-Manguinhos, uma das entidades da Fiocruz que atua na fabricação de vacinas.

Siga a página Coronavirus
Seguir
Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!