O ano de 2014 ficou marcado por diversas despedidas no mercado editorial, e não por grandes lançamentos. Só em julho, por exemplo, a Literatura perdeu Rubem Alves, Ariano Suassuna, João Ubaldo Ribeiro, Nadine Gordimer e Ivan Junqueira. Em abril, Gabriel García Márquez, da Colômbia e famoso mundialmente. Em novembro, Manoel de Barros.

Evaldo Cabral de Mello, Antônio Torres, Ferreira Gullar e Zuenir Ventura foram imortalizados pela Academia Brasileira de Letras.

Publicidade
Publicidade

Alberto da Costa e Silva ganhou o Prêmio Camões, mais importante da literatura lusófona. Roger Mello ganhou o Gans Christian Andersen, um tipo de Nobel da literatura juvenil e infantil. 

Já nas premiações brasileiras, não houve unanimidade. Ana Luisa Escorel ganhou algum destaque com seu primeiro romance, "Anel de Vidro", por ter se tornado a primeira mulher a ganhar a principal categoria do Prêmio São Paulo.

Publicidade

Mudanças no mercado

Em 2014, uma das maiores novidades do mercado editorial foi a fusão da Companhia das Letras com a Objetiva/Alfaguara. Já o Grupo Sextante comprou metade da L&PM. Uma das mudanças mais polêmicas aconteceu com a chegada da Amazon no mercado de venda de Livros físicos no Brasil e aluguel de e-books que, mesmo sem apoio das grandes editoras brasileiras, passou a liderar o mercado de livros digitais.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Literatura

De acordo com pesquisa feita pela Fipe, editoras com e-book passaram a faturar R$ 12,7 milhões em 2013 - o valor era de apenas R$ 3,8 milhões em 2012 e em 2014 deve aumentar ainda mais. Mesmo com esses números sobre o mercado digital, o setor não teve um ano de crescimento.

Ao ser inaugurada, a Amazon ofereceu livros com preços muito mais baixos do que o mercado praticava e, com isso, fez nascer o debate sobre o preço fixo para todos os livros como forma de diminuir o prejuízo das demais lojas.

Novas editoras

Mesmo em cenário de baixo crescimento, houve espaço para a criação de novas editoras. A Poetisa, por exemplo, irá priorizar traduções de alta qualidade. A Mundaréu irá se dedicar aos livros de filosofia, história e literatura alemã, pelo menos por enquanto. No mercado independente, a editora Lote 42 comprou uma banca de jornal em São Paulo, no bairro de Santa Cecília, para comercializar os seus livros e também de outras editoras.

Publicidade

Destaques

Entre os destaques do ano, há o lançamento do livro "Graça Infinita", de David Foster Wallace, que demorou anos até ganhar sua primeira tradução brasileira. "Grande Sertão: Veredas" foi adaptado para HQ por Rodrigo Rosa e Eloar Guazelli, lançado pela editora Globo. E a obra do poeta Manoel de Barros foi transferida para o catálogo da Alfaguara.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo