Para quem gosta de leitura, ler um livro é um prazer. O processo de leitura de quem gosta de ler e de quem lê por obrigação é muito diferente. Quem tem a leitura como uma de suas atividades mais prazerosas esquece do mundo quando abre um livro e mergulha de cabeça no enredo. Chora e ri com o personagem, lê avidamente, mas ao mesmo tempo não quer que o livro termine, pois não quer se desapegar dos personagens...

E quando finalmente termina o livro, fica pensativo, totalmente imerso na história, no que aprendeu com os personagens e sente que ganhou algo, mas que também perdeu...

De acordo com Annie Murphy Paul, da revista TIME, esse momento é chamado de deep reading (leitura profunda), uma prática que está próxima da extinção agora que a maioria das pessoas estão folheando mais e lendo menos. A pior parte dessa extinção eminente é que os leitores provam ser mais legais e espertos do que os seres humanos que não leem.

Estudo 'O que a Leitura faz pela Mente' 

De acordo com esse estudo, liderado por Anne E. Cunningham, da Universidade de Berkeley, na Califórnia, a leitura fornece uma lição de vocabulário que as crianças nunca obteriam na escola. Segundo Cunningham, leitores são mais inteligentes devido ao seu vocabulário aprimorado e às habilidades de memorização, juntamente com sua habilidade de reconhecer padrões.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Literatura

Eles têm funções cognitivas mais altas do que as pessoas que não leem e podem comunicar-se de forma mais eficaz e completa.

Encontrar um parceiro que gosta de ler é como namorar um milhão de almas, segundo Cunningham. Uma das partes vai ganhar a experiência que o parceiro ganhou de tudo que ele já leu e a sabedoria que vem dessas experiências. É como namorar um romântico, um professor e um explorador de conhecimento.

Estudos de 2006, 2009 e 2010

De acordo com estudos publicados em 2006 e 2009 por Raymond Mar, psicólogo da York University, no Canadá, e Keith Oatley, professor de Psicologia Cognitiva na Universidade de Toronto, aqueles que leem ficção são capazes de ter mais empatia e teoria da mente, que é a habilidade de manter opiniões, crenças e interesses à parte de suas próprias crenças e opiniões.

Os leitores podem considerar as ideias de outras pessoas, sem rejeitá-las e ainda manter as suas próprias.  

Ainda segundo o estudo, essa habilidade é uma característica que todos os seres humanos têm desde o nascimento, mas que requer diferentes níveis de experiências sociais para se concretizar e essa pode ser provavelmente a razão pela qual o último parceiro de algumas pessoas pode ser considerado um narcisista. 

Leitores são pessoas melhores - conheça a história do desconhecido que deu seu Kindle para um morador de rua - porque já viveram a vida de outras pessoas através de olhos abstratos, eles aprenderam como é deixar seus corpos e ver o mundo através de outros prismas.

Eles tiveram acesso a centenas de almas e coletaram sabedoria de todas elas. Eles viram coisas que as pessoas que não leem nunca vão entender e vivenciaram mortes de pessoas que só eles conhecem. Eles sabem o que é ser um homem e uma mulher, e como é assistir ao sofrimento de uma pessoa. 

Outro estudo publicado em 2010, por Raymond Mar, reforça essa ideia com resultados que provam que quanto mais história é lida para uma criança, mais aguçada se torna sua "teoria da mente" e ela se torna uma criança com mais sabedoria, capacidade de adaptação e de compreensão. A leitura molda o leitor ao personagem e faz com que cada lição, triunfo e tensão do personagem se torne sua.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo