O The Who é considerado por muitos como a terceira joia da tríplice coroa do rock britânico. A banda, que chegou a rivalizar em prestígio com os Beatles e os Rolling Stones no início dos anos 70, desbancando o emblemático "Stick Fingers" - dos Stones - do primeiro lugar das paradas no Reino Unido, em 1971, promete "pendurar as chuteiras" em 2016, quando encerra a turnê "The Who Hits 50!", que terá mais de 60 apresentações só até o final deste ano, em duas pernas europeias e norte-americanas.

"Temos que ser realistas e é melhor abandonar os palcos enquanto ainda somos bons no que fazemos", disse o vocalista Roger Daltrey, de 71 anos, em entrevista à revista "Rolling Stone".

"Está é, com certeza, nossa última volta ao mundo", assegurou ele, antes de iniciar a série de shows que comemora os 50 anos do primeiro disco da banda, "My Generation" - lançado em dezembro de 1965, na Inglaterra, e abril de 1966, nos Estados Unidos.

A verdade é que, em meio século de atividade, o The Who nunca deu, exatamente, uma volta ao mundo. Sempre que esteve na estrada, o grupo excursionou pela Grã-Bretanha e, principalmente, pelos EUA - o País de Gales, por exemplo, viu mais shows da banda do que a França. Mas enquanto há vida, há esperança, e Ásia, América Latina, além da Austrália e Nova Zelândia, podem entrar no roteiro da despedida no ano que vem.

"É claro que quando as coisas vão bem, comercialmente, uma turnê como esta pode ser estendida, mas a 'The Who Hits 50!' durará, no máximo, dois anos", afirmou Daltrey. A explicação para uma despedida com tanta pompa e circunstância pode estar na boa forma não só de Daltrey, mas também do guitarrista Pete Townshend.

Os melhores vídeos do dia

"Depois de muita testosterona, na juventude, das briga de meia idade, das drogas e de perdermos pessoas tão queridas, desenvolvemos um amor muito forte um pelo outro. Hoje, somos como irmãos", declarou o vocalista. "Também há essa coisa da performance: durante muito tempo, cantei como se fosse a primeira vez da minha vida e, hoje, canto como se fosse a última. Vejo que estamos perto da aposentadoria, mas acho que estou melhor do que nunca!", conclui.

Para os fãs de carteirinha, "The Who Hits 50!" é um verdadeiro prêmio. Ao lado dos clássicos do grupo, o repertório traz canções que, apesar de não terem feito tanto sucesso, têm muita importância na história da banda. "Nosso objetivo, ao revisitar essas músicas, é claro: queremos homenagear nosso público e retribuir o carinho que sempre tiveram conosco", comenta Daltrey. No setlist das apresentações da perna norte-americana, iniciada no dia 15 de abril, há pelo menos uma composição de cada álbum do conjunto - são 22, ao todo.

"O mais gratificante é ver avós, pais e filhos juntos. Sempre achamos que poderíamos unir as pessoas e isso é muito emocionante", afirma o vocalista. Se realmente aportar no Brasil, "The Who Hits 50!" promete uma noite inesquecível. "Você sabe: somos contratados para tocarmos durante 90 minutos, mas geralmente passamos de duas horas de apresentação", garante o músico. "Se estamos em turnê, é para divertir as pessoas", garante. #Entretenimento #Famosos #Música