A autora americana Jessica Herthel decidiu comemorar a celebração anual do direito à leitura de um jeito interessante: ela “intimou” todo mundo a participar da “Banned Books Week” (“Semana dos Livros Banidos”, em tradução livre). As informações são do The Guardian.

Herthel é autora do livro “I am Jazz” (“Eu sou Jazz”, ainda não publicado no Brasil) que conta a história de Jazz Jennings, uma adolescente americana de 16 anos que nasceu menino. A história é verídica e a própria Jazz Jennings ajudou na criação do livro.O livro, infantil e ricamente ilustrado, mostra a vida de Jazz em família e na escola, abordando sua dificuldade e a luta para poder usar o banheiro feminino, por exemplo, e ser aceita e tratada como “menina” pelos professores.

O objetivo do livro é lutar contra o preconceito e todo tipo de discriminação. O lucro da venda dos exemplares é destinado para a fundação criada pelos pais de Jazz para ajudar outras crianças que enfrentam a mesma situação.

Com a publicação de “I am Jazz”, Herthel sentiu “na pele” como é ter um livro censurado. Em algumas cidades o livro não pode ser encontrado e diversas pessoas o consideraram “impróprio” - o que, segundo a autora, só mostra a “urgência” da discussão de temas tão atuais.

Ler o que é “proibido”

A primeira Semana dos Livros Banidosfoi realizada em 1982, em resposta ao grande número de livros banidos em escolas, livrarias e bibliotecas naquele ano.Estima-se que, até hoje, mais de 11.300 livros tenham sido repudiados e excluídos das prateleiras americanas, segundo informações da American Library Association.Ano passado, por exemplo, títulos como “Quem é Você, Alaska?” do escritor inglês John Green, e até mesmo a Bíblia Sagrada estavam entre os títulos mais censurados.

Em 2016 o objetivo é que, entre 25 de setembro e 1º de outubro, as pessoas leiam justamente os livros que são tidos como “inadequados” e que foram, de alguma forma e em alguns lugares, banidos.

Herthel lembra que as pessoas tentam censurar os livros “desde sempre”: grandes clássicos como “O Grande Gatsby”, de Fitzgerald, e “O Sol Nasce para Todos”, de Harper Lee, por exemplo, já figuraram na lista de desafetos das prateleiras de “pessoas de bem”. Até o famoso "O Mágico de Oz", de L. Frank Baum, era considerado impróprio por mostrar uma protagonista mulher, independente e em posição de liderança.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Literatura LGBT

Ainda ao The Guardian, Herthel continua: “o que precisamos é de mais informação, mais vozes. Peço a todos para celebrar essa semana lendo um livro que alguma pessoa de mente fechada queira desesperadamente manter fora de suas mãos”.

Lista do ano passado

Os mais censurados de 2015 e suas razões, segundo site oficial da Banned Books Week:

1. “Quem é Você, Alaska?” – John Green

Razões: linguagem ofensiva, sexualmente explícito, impróprio.

2. “Cinquenta Tons de Cinza” – E. L. James

Razões: Sexualmente explícito, impróprio, e com “escrita pobre que pode influenciar os adolescentes”.

3. “I am Jazz” – Jessica Herthel e Jazz Jennings

Razões: impreciso, impróprio, contém homossexualidade e, do ponto de vista religioso, “educação sexual imprópria”.

4. “Beyond Magenta” – Susan Kuklin

Razões: impróprio, anti-familiar, linguagem ofensiva, homossexualidade.

5. “O Estranho Incidente do Cachorro Morto” – Mark Haddon

Razões: linguagem ofensiva, ponto de vista religioso, impróprio, “profanação” e ateísmo.

6. Bíblia Sagrada

Razão: possuir ponto de vista religioso.

7. Fun Home, Uma Tragicomédia Familiar – Alison Bechdel

Razões: violência.

8. Habibi - Craig Thompson

Razões: nudez, sexualmente explícito.

9. A Escola Secreta de Nasreen, Uma História Afegã – Jeanette Winter

Razões: violência, ponto de vista religioso, impróprio para a faixa etária proposto.

10. Dois Garotos Se Beijando – David Levithan

Razões: homossexualidade, “demonstrações públicas de afeto”.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo