Um artigo publicado neste domingo (23) pelo jornalista Daniel Boffey, no The Guardian, afirma que os hábitos de leitura dos meninos são diferentes dos hábitos das meninas.

Além de lerem menos, jovens do sexo masculino geralmente escolhem títulos mais fáceis, com leitura mais fluida e quase sempre “pulam” partes mais elaboradas ou que consideram “chatas”.

O estudo foi feito na Grã-Bretanha e mostra que não importa a natureza da literatura, eles sempre leem menos profundamente do que as meninas.

A explicação, segundo o artigo, é que os meninos “levam mais tempo para processar as palavras e preguiçosamente pulam trechos que consideram demasiadamente difíceis de ler”.

Isso mostra que eles não conseguem escolher Livros com maior intensidade.

O estudo se baseou em dados de um sistema de computador utilizado em escolas da Grã-Bretanha para testar o progresso de leitura de 750 mil alunos. Os relatórios são capazes de mostrar, entre outras coisas, os livros que a criança leu, o número de palavras lidas e o nível de leitura. Testes aplicados depois são os responsáveis por relatar o quanto da leitura a criança realmente entendeu.

Ao fim das pesquisas, chegou-se à conclusão de que os meninos foram significativamente piores nas medidas de resultado. Além disso, vários meninos afirmaram que não leram determinados trechos do livro, o que quase não aconteceu com as meninas pesquisadas.

O professor que conduziu as pesquisas, Keith Topping, afirmou que a chave foi descobrir o que interessa os meninos de verdade, a ponto de mantê-los focados na leitura de uma página.

Os resultados mostraram que os meninos tendem a preferir livros de “não-ficção”, muito mais do que as meninas

A pesquisa também trouxe pontos positivos: foi possível verificar que durante os primeiros anos do Ensino Médio muitos alunos de ambos os sexos estavam lendo livros maiores, como os da saga Harry Potter.

Segundo Topping, o que ajuda de verdade é que haja “professores e bibliotecários dispostos a passar um tempo com a criança para falar sobre suas escolhas em literatura; dar também sugestões de livros mais desafiadores e tirá-los da zona de conforto”.

No entanto, o pesquisador também defende que o ideal não é “obrigar” o aluno a ler os clássicos e sim desafiá-los a ler algo diferente e mais profundo, mesmo que seja dentro de seu estilo favorito.

Os livros favoritos das crianças na Grã-Bretanha

Entre os favoritos escolhidos pelos jovens leitores estão as séries “O Diário de um Banana”, de Jeff Kinney, a saga Harry Potter, de JK Rowling e também os livros do personagem Percy Jackson, de Rick Riordan.

Outros autores também queridos pelos estudantes pesquisados são: Cassandra Clare (que escreveu “Os Instrumentos Mortais”) e Suzane Collins, autora de “Jogos Vorazes”, mas citada na pesquisa por seus livros da “Série Subterrânea”.