A Academia Brasileira de Cinema anunciou nesta última quinta-feira (15) a escolha do filme ‘bingo – O Rei das Manhãs’ como o representante brasileiro para concorrer a uma vaga ao Prêmio de Melhor Filme em Língua Estrangeira da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas – o ‘Oscar’ no ano de 2018.

A escolha do filme protagonizado pelo galã global Vladmir Brichita, agradou à critica especializada, diferentemente do ocorrido no ano passado quando sob muitas críticas a Academia Brasileira de Cinema anunciou que o filme 'Pequeno Segredo' seria o representante à vaga. Na ocasião todos esperavam que o filme 'Aquarius' dirigido por Kléber Mendonça Filho e protagonizado pela eterna 'Gabriela' Sonia Braga, fosse o escolhido.

Foi dito na época que 'Aquarius' não foi a escolha da Academia Brasileira de Cinema devido à orientação política de seus realizadores, isto teria sido a causa da escolha do filme 'Pequeno Segredo', produção sem nenhum apelo comercial para o grande público.

Talvez os filmes nacionais com mais chances de tirar a vaga de Bingo seriam: O Filme da Minha Vida [VIDEO], de Selton Mello; e o aclamado Como Nossos Pais, de Laís Bodanzky.

A lista de concorrentes ainda tinha o comovente e pouco visto A Glória e a Graça, de Flávio Ramos Tambellini; os péssimos: Polícia Federal – A Lei é para todos, de Marcelo Antunez e Real – O plano por trás da história, de Rodrigo Bittencourt.

Malasartes e o Duelo com a Morte passou batido pelos cinemas brasileiros, a aposta em um novo sucesso como ‘O Auto da Compadecida’ não se concretizou.

Elis é outro caso de filme que teve certa repercussão mas não tem méritos artísticos para a vaga.

Apesar de todo o apelo que o filme possa ter com o público acima dos trinta anos, Bingo, foi pouco visto nas telas de cinema até agora - do dia 1 de setembro até o dia 10 setembro o filme não chegou nem a duzentos mil pagantes - como publicado no site Adoro Cinema.

Diferentemente do fraquíssimo Polícia Federal - A Lei é Para Todos, que em seu primeiro final de semana em exibição já chegou a marca de de meio milhão de expectadores, mas ao que tudo indica não deverá ir muito além disto.

O filme da diretora Laíz Bodansky, Como Nossos Pais, é outro exemplo de filme nacional que foi lançado com uma expectativa positiva, mas que não se confirmou nas bilheterias, não tendo chegado nem aos duzentos mil expectadores no período compreendido entre os dias 1 e 10 de setembro. Resultado aquém do esperado mesmo para uma produção nacional.