Se há algo que os norte-americanos sabem fazer com muita qualidade são os filmes para #Cinema e as séries para a TV, e por falar em #Seriados televisivos, nos últimos dias um grande número de fãs ficou indignado, chorou, comemorou e até discutiu sobre o assunto do momento na internet, que é o seriado #Game of Thrones".

Por outro lado, agora que a temporada já se encerrou, o portal “AdoroCinema” decidiu fazer uma espécie de balanço geral detalhado sobre a série que tem levado milhões de pessoas em todo o mundo à loucura [VIDEO], destacando cinco pontos positivos e outros cinco negativos referentes ao penúltimo ano da produção.

Os cinco melhores destaques da série

  • Torta de Frey: o Game of Thrones pela 1ª vez iniciou com o chamado “cold open”, que são cenas de início antecedendo até mesmo os créditos de abertura de um episódio específico.

A cena em si foi capaz de provocar surpresas graças ao aparecimento de Walder Frey e logo na sequência, vem o momento apoteótico da vingança de Arya (Maisie Williams). Enfim, é muito bom iniciar uma temporada com os Stark vencendo.

  • A quase extinção das cenas de sexo sem sentido: a HBO tem por característica promover a nudez dizem alguns fãs da série, mas parece que a 5ª temporada abusou um pouco do artifício.

Tanto é assim, que choveram críticas específicas [VIDEO] à cena de estupro de Sansa (Sophie Turner) e também a exploração do corpo das mulheres de modo que não agregasse nada a trama.

Pelo que tudo indica, David Benioff e D.B. Weiss aprenderam a lição de uma vez por todas e a 7ª temporada diminuiu o número de mulheres nuas envolvidas em cenas de sexo, que quando aparecem, estão realmente inseridas na narrativa.

  • O ataque nos trens de pilhagem: é justamente no episódio 4 da 7ª temporada, que transcorre uma das melhores demonstrações de batalha da série, a saber, “The Spoils of War”’.

Os roteiristas foram felizes quando reuniram os dothrakis, o exército Lannister e a fúria de Drogon tudo no mesmo lugar, tendo a imagem de ação em que Daenerys consegue mostrar o poder de um de seus dragões em Westeros.

Muito provavelmente os fãs da série gritaram de raiva quando Bronn (Jerome Flynn) atingiu Drogon com uma lança.

Os cinco piores destaques da série

  • Arya e Sansa na briga sem sentido: o reencontro das irmãs Stark foi alegre e pacífico, mas logo se tornou em um conflito quando Arya desconfia de Sansa e intenciona mata-la, caindo na armadilha de Mindinho.

A dinâmica da cena falha na medida em que a caracterização de Arya foi incoerente e o público fica sem saber ao certo, se a guerra entre as duas era de verdade ou só uma grande armação.

  • Fantasma esquecido em churrasco: Fantasma surgiu pela última vez na série ainda no episódio 6.03, ‘Oathbreaker’, mas ele em todo momento foi o companheiro fiel de Jon Snow (Kit Harington), sendo o último lobo dos Stark que ficou vivo, ou seja, não poderia ser esquecida a amizade entre ambos.
  • Abandono da relação entre tempo e espaço: a influência desses dois conceitos fundamentais à série, acaba com a lógica e gera um problema na produção.

É ainda pior quando os personagens em um mesmo episódio fazem três viagens que iriam demorar muito; porém, os personagens de um outro núcleo levam dois episódios para atravessar um trajeto tido como menor.

  • Dragão ex machina: aqui a pessoa que assistiu o episódio teve de ignorar os tempos de viagem e também a lógica de deslocamento. Para piorar o contexto, Jon foi salvo arbitrariamente duas vezes pelo deus ex machina.
  • Jonerys: na realidade o hype por Jonerys já existia antes do encontro na série dos dois, pois ambos são líderes que estão em destaque.

Por outro lado, não existe muita química entre o casal e o que se percebe sim, é que existe uma pressão externa grande para que os dois fiquem juntos.

'Game of Thrones" 7ª temporada, episódio 7

Assista à cena em que 'Rei da Noite' derruba a Muralha