Neil Hamilton ficou eternizado como o Comissário Gordon da série de televisão Batman (1966-1968) estrelada por Adam West. Porém, este foi um dos últimos papéis que o ator interpretou em uma carreira de mais de 50 anos e 260 filmes.

James Neil Hamilton nasceu em 9 de setembro de 1899, em Massachusetts, nos Estados Unidos. Começou a carreira como modelo, posando para ilustradores como Joseph Leyendecker, James Montgomery Flagg, Arthur William Brown, Norman Rockwell, Charles Dana Gibson. Normalmente, os desenhos que o retratavam eram usados pala ilustrar a capa ou as reportagens do jornal Saturday Evening Post.

A beleza do jovem adolescente lhe valeu um convite para ser modelo de colarinhos de camisas, tornando-se rival do ator Reed Howes, que era conhecido como “the arrow collar man” (na tradução, o homem do colarinho de flecha, um estilo de nó de gravata muito popular no começo do século XX).

A beleza e o porte elegante rendeu um contrato para atuar no cinema, estreando em um pequeno papel em Adorável Sedutora (The Beloved Impostor, 1918), da Vitagraph. Mas sua primeira grande chance nas telas veio quando estrelou A Rosa Branca (The White Rose, 1923), de D.W.Griffith.

Os melhores vídeos do dia

Após protagonizar vários filmes de Griffith, foi contratado pela Paramount, tornando-se um dos principais galãs do estúdio. Na década de 1920, o ator fazia mais de 20 filmes por ano e chegou até a incomodar o posto de Rudolph Valentino, recebendo mais cartas de fãs que o mais famoso amante latino das telas.

Na Paramount, tornou-se o principal galã da atriz Bebe Daniels, uma das estrelas mais populares dos tempos do cinema mudo. Juntos atuaram em Um Crime Sublime (The Splendid Crime, 1925), Uma Mocinha da Pesada (What a Night!, 1928), Um Repórter de Saias (Hot News, 1928) e Me Leva Pra Casa (Take me Home, 1928).

Ainda na Paramount atuou na primeira versão de Beau Geste (Idem, 1926), interpretando o irmão de Ronald Colman.

Ele ainda fez Nick Carreaway, o vizinho de Jay Gatsby (interpretado por Warner Baxter) em Tudo Por Dinheiro (The Great Gatsby, 1926), a primeira versão cinematográfica do livro O Grande Gatsby, publicado em 1925.

Trailer de Tudo Por Dinheiro (The Great Gatsby, 1926)

Em 1927, surgiu o cinema falado e muitos atores não conseguiram fazer a transição para os filmes sonoros. Mas este não foi o caso de Neil Hamilton, que tinha uma bela voz. Em Minha Mãe (Mother Machree, 1928) seu primeiro filme no novo sistema, ele não só falou, como também apareceu cantando. Na década de 1930, apareceu em diversos filmes, geralmente ocupando papéis de coadjuvantes.

Com Douglas Fairbanks Jr. estrelou A Patrulha da Madrugada (The Dawn Patrol, 1930) e fez par romântico com Joan Crawford em Almas Pecadoras (Laughing Sinners, 1931), sendo coadjuvado pelo jovem Clark Gable.

Em 1932 interpretou Harry Holt, o noivo de Jane em Tarzan, o Filho das Selvas (Tarzan the Ape Man, 1932), o primeiro filme com Johnny Weismuller no papel de Tarzan. Pelo papel, Nel Hamilton ganhou um cachê maior que o do futuro astro. Ele repetiria o papel em A Companheira de Tarzan (Tarzan and His Mate, 1934). Entre 1936 e 1937 fez cinco filmes na Inglaterra.

No começo da década de 1940, sua carreira decaiu. O antigo astro de grandes produções agora só era escalado para filmes de baixo orçamento. Ele interpretou o vilão em Contra a Quinta Coluna (King of the Texas Rangers, 1941), um dos mais bem sucedidos seriados da Republic Pictures.

Em 1944, ele foi escalado para protagonizar a superprodução Desde Que Partiste (Since You Went Away, 1944), um épico que mostrava o drama de uma família cujo patriarca estava na Europa lutando na Segunda Guerra Mundial. Feito para levantar o moral das tropas norte-americanas no front, o filme foi indicado a 10 prêmios Oscars, mas Neil Hamilton não aproveitou do sucesso do mesmo. Durante as filmagens, ele discutiu com o produtor David O. Selznick e todas as suas cenas foram cortadas.

Apenas fotos do ator apareciam na tela, durante momentos de recordação da esposa do personagem, interpretada por Claudette Colbert. Após brigar com Selznick, a carreira de Hamilton quase foi destruída.

Além disto, ele havia sido criado em uma família de católicos fervorosos e era avesso a alguns costumes de Hollywood. Hamilton não bebia, não frequentava festas e era casado com Elsa Whitmer desde 1922 (eles ficaram casados até a morte do ator).

Em sua biografia, o ator contou que em 1944 pensou em cometer suicídio [VIDEO]. Deprimido com os rumos de sua carreira por causa do boicote imposto pelo poderoso produtor, Hamilton decidiu saltar de uma montanha de Santa Mônica e começou a subir no monte. No caminho, encontrou um padre e achando ser isto um sinal divino, decidiu se confessar. O padre o aconselhou e o convenceu a não seguir seu plano e pediu que ele fizesse uma novena. No final do nono dia, Neil Hamilton recebeu um convite para atuar em Chutando Milhões (Brewster’s Millions, 1945).

Mas sua carreira no cinema nunca mais seria a mesma. Sem muitos trabalhos em Hollywood, o ator começou a trabalhar na televisão. Ele estrelou a série That Wonderful Guy (1949-1950) ao lado do estreante Jack Lemmon, mas ela foi cancelada após o terceiro episódio.

Após atuar em papéis ocasionais em séries como Maverick e Zorro [VIDEO], ele foi convidado para retornar ao cinema, 16 anos depois de fazer seu último filme. Ele atuou em Uma Razão Para Viver (The Little Shepherd of Kingdom Come, 1961), substituindo o ator Richard Cromwell, que morreu de câncer durante as filmagens.

Mas Neil Hamilton fez poucos filmes após seu retorno, atuando em apenas cinco longa-metragens, três deles estrelados por Jerry Lewis. São eles: O Otário (The Patshy, 1964), Uma Família Fuleira (The Family Jewels, 1965) e Qual é o Caminho Para a Guerra? (Which Way to the Front?, 1970). Também atuou em Um Amor de Vizinho (Good Neighbor Sam, 1964), estrelado pelo antigo colega Jack Lemmon, e no terror Estratégia do Terror (Strategy of Terror, 1969).

Em 1965, David O. Selznick faleceu, e o boicote contra o ator cessou. No ano seguinte, Neil Hamilton foi convidado pela 20th Century Fox para interpretar o Comissário Gordon na série de televisão Batman (1966-1968). Aos 67 anos, o veterano ator voltou aos holofotes, naquele que seria seu papel mais marcante.

O comissário era um personagem importante no combate ao crime na cidade de Gotham City, além de ser pai de Barbara Gordon, a identidade secreta da Batgirl (interpretado por Yvonne Craig). Neil Hamilton foi um dos personagens coadjuvantes que apareceu em todos os 120 episódios da série estrelada por Adam West e Burt Ward.

Neil Hamilton em Batman

Após atuar no telefilme Vanished (1971), que tinha o cantor brasileiro Pery Ribeiro no elenco, o ator se aposentou da vida artística.

Em 24 de setembro de 1984, o ator faleceu após uma forte crise de asma, aos 85 anos. Neil Hamilton era primo da atriz Margaret Hamilton, a bruxa má do oeste de O Mágico de Oz (The Wizard of Oz, 1939). Eles atuaram juntos em By Your Leave (1934), na RKO.

Neil Hamilton e Alice White em The Widow from Chicago (1930)