Criado pelo empresário Roberto Medina em 1985, o país passava por diversas transformações e ainda estava sob a ditatura militar, mas começava a dar seus primeiros passos rumo à democracia. Foi aí que nasceu o #Rock in Rio, no Rio de Janeiro. Pela primeira vez, um país da América do Sul sediou um evento musical deste tipo. O festival ocorreu nos anos de 1985, 1991, 2001, 2004, 2006, 2008, 2010 a 2017 em países diferentes.

O evento deste ano foi realizado entre os dias 15 e 17 de setembro. Após uma pequena pausa, o festival teve continuidade entre os dias 21 e 24.

Recordes

A segunda edição do Rock in Rio no Brasil foi feito no Maracanã, na época o maior estádio de futebol do mundo, com três mil refletores iluminando o local, sendo que 480 eram faróis de avião.

Essa edição teve 700 mil pessoas em nove dias de festival.

Neste ano, um novo recorde foi conquistado pelo festival. A marca batida é a de produtos licenciados que chegaram a 700, um aumento significativo em relação aos anos anteriores.

Atrações

Ao longo de todos os anos, foram 17 edições e 1.588 artistas escalados. Já passaram pelo evento nomes como Queen, AC/DC, James Taylor, George Benson, Rod Stewart, Yes, Ozzy Osbourne, Guns N ‘Roses e Iron Maiden. Artistas brasileiros já fizeram parte do evento, como Gilberto Gil, Elba Ramalho, Rita Lee, Paralamas do Sucesso, Blitz, Kid Abelha e Barão Vermelho.

Este ano, o evento contou com Focus Cia. de Dança & Dream Team do Passinho, Ivete Sangalo, Skank, Shawn Mendes, Fergie, Maroon 5, Justin Timberlake, Alicia Keys, Fall Out Boy, Aerosmith, Bon Jovi, Jota Quest, entre outros artistas.

No sábado (23), o palco mundo teve Guns N'Roses acertando as contas com o Rock in Rio com um show de mais de 3 horas com homenagem ao grande Chris Cornell. O evento foi marcado pelo retorno de Slash, as trocas de roupa e a falha na voz do cantor Axl Rose, mas isso não impediu que o público fosse ao delírio.

Teve um pequeno escorrego na introdução de "Sweet Child O' Mine", mas pelo menos não foi nenhum sósia.

Mídia

Na edição deste ano, o festival teve um desfalque que mexeu com os little monsters, o nome que é dado para os fãs da cantora Lady Gaga. Ela teve que cancelar sua participação, alegando fortes dores devido à fibromialgia [VIDEO], que é uma síndrome comum em que a pessoa sente dores por todo o corpo durante longos períodos, com sensibilidade nas articulações, nos músculos, tendões e em outros tecidos moles. A fibromialgia está diretamente ligada também à fadiga, distúrbios do sono, dores de cabeça, depressão e ansiedade.

A notícia do cancelamento veio no dia 14, um dia antes do show, deixando seus little monsters devastados.

A cantora disse em sua rede social que "...faria qualquer coisa por vocês, mas eu tenho que cuidar do meu corpo agora. Peço pela bondade e compreensão de vocês, e prometo que vou voltar e cantar para vocês em breve. Me desculpem e eu amo muito vocês".

O evento informou que haverá o reembolso para aqueles que compraram o ingresso para o dia 15 de setembro. O prazo do reembolso ocorrerá do dia 28 até o dia 1º de novembro de 2017.

Nas redes sociais, a notícia ficou no trending topics no Twitter e gerou diversos memes sobre a situação. Teve aqueles que sugeriam outros artistas diferentes para substituí-la, como o grupo Molejo. Até mesmo a Ana Furtado [VIDEO], apresentadora da Rede Globo e mulher do diretor Boninho, disse bem humorada e admitiu ser uma little monster e que estava chateada com o cancelamento. Houve comparações com as pessoas que sempre marcam algo e no dia desmarcam, além de imagens de atestado médico junto à cantora. #LadyGaga #Guns N' Roses