Cunhado pelo jornalista Dan Bloom, o termo #Cli-Fi refere-se a um novo gênero de obras narrativas que abordam a ficção climática, trazendo a discussão sobre as mudanças climáticas para o leitor. O mais interessante é que essas obras apresentam a #Ciência de uma maneira correta e tornam-se ferramentas de ensino divertidas tanto para jovens quanto para adultos.

Como será nossas vidas se a temperatura do planeta continuar subindo? Como será a agricultura no futuro? O que fazer com os refugiados do clima? A falta de recursos naturais podem incitar conflitos armados?

Quando bem escrita, uma obra de Cli-Fi tem o poder de ajudar as pessoas a imaginar e entender como as ações atuais podem modificar o clima do futuro, afetando a vida de bilhões de pessoas.

Esses romances podem tornar essa experiência muito mais real para o leitor do que simplesmente apresentar um gráfico com variações de temperatura do planeta.

Autores de Cli-Fi

Um exemplo de Cli-Fi é a obra “Faca de Água”, do autor Paolo Bacigalupi. Na ficção, num futuro árido e tumultuado, os Estados Unidos se tornou em uma nação fragmentada e devastada pelos efeitos das mudanças climáticas em que água ganhou o status de commodity mais valioso.

Para abastecer suas comunidades, os estados de Nevada, Arizona e Califórnia disputam o direito de uso do Rio Colorado. Nesse cenário, governos, órgãos públicos e empresários travam uma guerra ferrenha, no qual vale tudo.

Ainda nos livros pós-apocalípticos podem ser citados o “Oryx e Crake”, “O Ano do Dilúvio” e “MaddAddam”, uma trilogia escrita por Margaret Atwood, vencedora do Booker Prize e cotada ao Prêmio Nobel, abordando sobre regimes totalitários motivados por colapsos ambientais.

Os melhores vídeos do dia

Cli-Fi brasileiro

O Brasil também conta com autores de ficção climática. Em “Solarpunk – Histórias Ecológicas e Fantásticas em um Mundo Sustentável”, seguido por “Vaporpunk” e “Dieselpunk”, fechando a trilogia, o escritor brasileiro Gerson Lodi-Ribeiro vislumbra um mundo sustentável, movido por energias limpas e renováveis.

Na forma de pequenos contos, Gerson reuniu textos de vários autores do Brasil e de Portugal, entre eles, Carlos Orsi, Telmo Marçal, Romeu Martins, Antonio Luiz M. C. Costa, Gabriel Cantareira, Daniel I. Dutra, André S. Silva e Roberta Spindler, para imaginar qual seria o impacto para a humanidade ao adotarmos um modelo de sociedade verde.

Obras como essa não apenas alertam sobre os perigos do #Aquecimento Global, mas também podem inspirar soluções criativas para resolver o problema. Isso, talvez, é o que torna o gênero tão importante. Podemos, involuntariamente, aprender e fazer ciência real.