A performance de um homem completamente nu tendo seu corpo tocado pelos visitantes do Museu de #Arte Moderna de São Paulo (MAM) abriu espaço para uma grande discussão à respeito dos limites da arte. A performance, que segundo o MAM, continha sinalização informando os visitantes a respeito de seu conteúdo (#nudez artística sem conotação erótica), chegou a ser acusada de pedofilia [VIDEO], uma vez que entre os espectadores, estavam algumas crianças que acompanhavam os pais em visita à 35ª Panorama da Arte Brasileira.

Estas crianças interagiram com a obra, e tocaram as mãos e os pés do artista. O MAM recebeu críticas do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e do Movimento Brasil Livre, que também manifestou-se contra a exposição ''Queermuseu'', exibida pelo Santander Cultural, na cidade de Porto Alegre (RS), que, segundo o MBL, também continha obras que faziam apologia a pedofilia, além de zoofilia e desrespeito às crenças religiosas.

Em contramão à toda essa polêmica, o Museu d'Orsay e o Museu da Orangerie, ambos localizados em Paris, acabam de relançar uma campanha veiculada em 2015, que tem como chamada a frase: ''Tragam seus filhos para ver gente nua''. A campanha conta com nove cartazes, em exibição nas ruas, em metrôs e paradas de ônibus de Paris, mostrando obras famosas de ambos os museus, nas quais a nudez é o tema principal, tais como a tela ''Mulher Nua Deitada'', do pintor francês Auguste Renoir.

Nesta obra, uma jovem está parcialmente nua, com os seios à mostra, deitada em uma cama, com um lençol cobrindo o restante de seu corpo. Amélie Hardivillier, responsável pela campanha e por toda a comunicação dos Museus d'Orsay e da Orangerie, afirma que nenhuma das obras de ambos os museus possui censura de idade.

No entanto, não é somente no Brasil que obras e exposições polêmicas chegam a ser retiradas ou encerradas em razão da idade ou do risco de má interpretação por parte dos visitantes.

Os melhores vídeos do dia

O diretor do Louvre, Jean-Luc Martinez, decidiu retirar a escultura "Domestikator" do Jardim das Tulherias. Para ele, a obra poderia ser mal interpretada pelos visitantes do museu.

O que para uns não passa de bom senso, para outros é visto como censura. Após o encerramento precoce da ''Queermuseu'' em Porto Alegre, a artista Cibele Vieira, que participava da exposição resolveu promover mais visibilidade à mostra.

A partir de um financiamento coletivo realizado por brasileiros e norte-americanos, as obras da ''Queermuseu'' foram projetadas nas fachadas do Bushwick Museum, do Whitney Museum of American Art e do New Museum, em Nova Iorque (EUA), juntamente com frases como ''Ditadura nunca mais'', ''Brasil, mostra a tua cara'' e ''Brasil, o mundo está assistindo.''

O diretor do Museu de Arte do Rio (MAR) já declarou que irá trazer a exposição ''Queermuseu'' para o Rio de Janeiro.

A data para a estreia da mesma, no entanto, ainda não está definida. #França