Os norte-americanos descobriram, nos anos de 1980, uma fórmula para Cinema:

efeitos especiais no capricho + história fraca = filme

Ao que parece, essa fórmula tem, pelo menos para eles, se mostrado vantajosa, uma vez que vem sendo utilizada desde então.

Tempestade - Planeta em Fúria é o mais recente exemplo dessa combinação. Trata-se de um planeta Terra numa época (bem próxima de agora) em que, afetadas pelo homem, as condições climáticas se mostraram devastadoras, mas, por ser sempre superior e mais esperto, o homem conseguiu dominá-las.

Um brilhante cientista norte-americano, com a ajuda de satélites e eficazes programas de computador, foi capaz de deixar o clima a contento da humanidade. Controlado pelos homens a partir de uma Estação Espacial, os problemas climáticos foram resolvidos: chove apenas aonde e o quanto precisa, as temperaturas são sempre ideais, e por aí vai.

De repente, o impossível acontece: o sistema dá defeito. E a humanidade que se cuide; os satélites literalmente congelam ou aquecem demais os lugares da Terra, causando catástrofes sem precedentes.

O brilhante cientista norte-americano ( Gerard Butler, de Deuses do Egito) é enviado à Estação Espacial para resolver o problema. E descobre uma trama que envolve sabotagem em alto escalão.

Dean Devlin (produtor de Independence Day: O Ressurgimento), em sua estreia como diretor, até tentou fazer um suspense de conotação política envolvendo uma questão atual, mas o resultado foi a banalização em série: a interferência humana no clima, as consequências disso, a política envolvendo vários países, tudo adquire um tom corriqueiro em Tempestade - Planeta em Fúria.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Cinema

Sobram mesmo os efeitos, bons como normalmente costumam ser em filmes catástrofes.

Mas, embora de primeira, cenas de prédios inteiros vindo abaixo remetem à perda de muitas vidas humanas, e é impossível não pensar que trata-se de um assunto sério para ser exibido em sequência e de maneira leviana - basta lembrarmos, por exemplo, do 11 de setembro e da queda das Torres Gêmeas. Ao olharmos por esse ângulo, a banalização do filme é lamentável.

E o suspense, embora tente ser atual, traz os mesmo clichês de sempre. Se, em épocas mais antigas a ciência assustava, e os filmes traziam um cientista louco interessado em dominar a humanidade, hoje em dia políticos assumiram esse papel. Um ou dois indivíduos, com motivos torpes podem, com apenas alguns cliques, desencadear eventos que visam dominar o mundo. É nesse ponto que a ficção caminha para a megalomania.

Junte-se a isso a banalização citada acima e temos Tempestade - Planeta em Fúria, estreia da semana que, muito gentilmente, incluiu o Brasil na rota das catástrofes.

Para concluir, o filme abre e fecha com um discurso sobre a união dos homens e a paz mundial, na voz de uma criança. Não podia ser mais brega.

Com Gerard Butler, Jim Sturgess, Abbie Cornish, Ed Harris e Andy Garcia.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo