Embora exista uma rixa história entre elas, as cidades de Belém e Manaus podem ser consideradas cidades irmãs. A primeira foi, por muito tempo, capital do Grão Pará, uma vasta região geográfica que englobava a maioria dos Estados da Região Norte. Aos poucos, com o desenvolvimento econômico, político e social, principalmente no período áureo da borracha, #Manaus ganhou dianteira administrativa, politica e cultural, tornando-se à capital mais visitada da região. E isso, de certa maneira, gerou um estresse muito grande em #Belém, alimentado, até hoje, uma disputa acirrada para saber qual é a capital mais bonita, acolhedora e atraente do Norte do País.

Pela criação da Zona Franca, Manaus tornou-se mais famosa e conhecida do que a sua cidade mãe, Belém.

Quem não se lembra da febre que foi, na década de 80, fazer compras, principalmente videocassete, televisores na Zona Franca de Manaus? Nesse período, tornou-se um verdadeiro “passeio” fazer compras em Manaus. Nesse período Manaus recebia pessoas, principalmente comerciantes, ávidos por lucros exorbitantes, dos quatro cantos do país.

Enquanto assistia de longe o sucesso de sua filha rebelde, Belém se organizava econômica e culturalmente através da fé do povo paraense, principalmente pela realização do tradicional Ciro de Nazaré. Aos poucos, Belém foi se organizado sob a égide de uma cidade histórica e explorando seus potencias turísticos. Primeiramente, restaurou-se o Teatro da Paz.

Abrindo as portas para realização de atrações nacionais, locais e internacionais, Belém foi, novamente, tomando a dianteira na realização de grandes eventos.

O Mercado Ver-o-Peso, um dos pontos turísticos mais conhecidos da capital paraense, foi outro ambiente totalmente reformulado. Deu-se uma nova cara para o ambiente, respeitando a especificidade dos trabalhadores do local, mas, dessa vez, mas profissional, tornando-se um ambiente familiar e acolhedor, além de um centro comercial moderno. Lá você pode encontrar de tudo, principalmente folhas, raízes e chás para todo tipo de simpatia.

No campo intelectual, enquanto Belém nos legou o filósofo Benedito Nunes, Manaus apresentou para o mundo o escritor multipremiado Marcio Souza, além, claro do romancista Milton Hatoum. Neste campo, tanto Belém como Manaus, vêm se destacando na produção literária e acadêmica. Recentemente, a maior emissora de televisão do país, vem filmando suas produções nessas duas cidades. Primeiramente foi a minissérie “Dois Irmãos” e mais recentemente, a novela “Força do Querer” gravada em Belém.

Queiram os moradores ou não, os destinos de Belém e Manaus estão marcados para sempre. E este colunista, que estudou em Belém, e que atualmente mora em Manaus, observa orgulho o crescimento cultural e social dessas duas cidades irmãs, rogando aos céus, para que também, cresçam politicamente. Enfim, que os políticos dessas duas cidades cuidem mais da coisa pública, pois a ética é o único legado que um homem público pode deixar para a sua cidade, para as futuras gerações. #Cultura