Morreu a atriz Ann Gillis, estrela mirim da década de 1930, uma tentativa da Warner Bross de criar uma nova Shirley Temple.

Alma Mabel Conner nasceu em 12 de fevereiro de 1927, em Little Rock, Arkansas.

Aos 7 anos de idade, ela atuou em seu primeiro filme, Alma de Médico (Men in White, 1934), ao lado de Clark Gable [VIDEO] e Myrna Loy. Nos anos seguintes, atuou em filmes importantes como O Jardim de Allah (The Garden of Allah, 1936), o primeiro filme colorido feito em #Hollywood, e em Ziegfeld - O Criador de Estrelas (The Great Ziegfeld, 1936), vencedor do Oscar de Melhor filme em 1937.

Porém, seus papéis eram pequenos, muitas vezes nem creditados.

Seu primeiro destaque no #Cinema foi em Rei do Ring (King of Hockey, 1936). O estúdio deu-lhe neste filme um espaço significativo para testar se a menina de cachinhos vermelhos tinha potencial para se igualar a estrela mirim Shirley Temple em popularidade.

Mas, ao contrário de Temple, que sempre interpretava personagens doces e meigas, Gillis normalmente era escalada para papéis de meninas mimadas e malcriadas. Em 1938, ela teve a sua grande chance ao interpretar Becky Thatcher em As Aventuras de Tom Sawyer (The Adventures of Tom Sawyer, 1938).

Apesar do sucesso do filme, Ann não tinha boas lembranças deste trabalho.

Muitos anos mais tarde, em entrevista a um historiador, ela relatou que não recebeu nenhuma orientação do diretor Norman Taurog, cuja a única preocupação era fazer de Tommy Kelly [VIDEO] uma estrela.

Certo dia, o diretor disse que depois do almoço eles gravariam a cena da caverna e ela teria que dar gritos histéricos. Aos 10 anos de idade, Gillis não sabia o que eram "histéricos".

Então, sua mãe a levou ao camarim e gritou como ela deveria fazer na cena. Gillis dizia que ficou muito assustada e que esta foi a única direção que recebeu durante o filme. Apesar disto, muitos críticos consideram esta cena a mais memorável de sua carreira.

Veja Ann Gillis em As Aventuras de Tom Sawyer:

Nos anos seguintes, ela continuou atuando com muito destaque. Ela protagonizou Aventuras de Lili (Little Orphan Annie, 1938), adaptação das histórias em quadrinho Little Orphan Annie para o cinema e viveu a personagem Isobel Rivers, quando criança (na fase adulta, interpretada por Susan Hayward), no clássico Beau Gest (Idem, 1939).

Ann dublou a personagem Faline em Bambi (Idem, 1942), clássico da Disney. Mas apesar dos papéis importantes, nunca chegou a tornar-se uma grande estrela como Temple.

Gillis e Temple chegaram a atuar juntas em Desde Que Partiste (Since You Went Away, 1944), e lembrava-se de ver a mãe de Temple ralhando com ela, de uma forma bastante constrangedora. Ela também atuou com Deanna Durbin, outra grande estrela mirim, em Noiva por um Dia (Nice Girl?, 1941).

Porém, conseguiu fazer uma boa transição para a fase adulta. Mas aos poucos perdeu o encanto por atuar. Na mesma entrevista em que falou que Taurog não a dirigiu, declarou que "sempre teve de obedecer a alguém, fosse a sua mãe, uma professora ou um diretor". Quando adulta descobriu que podia mandar em si mesma, e preferiu ‘’parar de fingir ser quem não era’’.

Em 1947, aos 20 anos, ela se casou e abandonou o cinema após atuar em Trama Sinistra (Big Town After Dark, 1947). Em 1952, ela estava separada e casou-se novamente com o ator Richard Fraser e mudaram-se para o Reino Unido. Eventualmente atuou em pequenas participações em séries de televisão.

Em 1968, leu um anúncio de um teste de elenco de um filme que estava sendo rodado na Inglaterra. O diretor Stanley Kubrick queria uma atriz norte-americana que morasse no país para um papel em 2001: Uma Odisseia no Espaço (2001: A Space Odyssey, 1968).

Ela interpretou a mãe do astronauta vivido por Gary Lockwood, que aparece no vídeo desejando feliz aniversário ao filho. Este foi seu último trabalho como atriz.

Casada pela terceira vez, a atriz divida seu tempo entre sua residência na Inglaterra e Bélgica, país de seu último marido. Ela faleceu na quarta-feira, 31 de janeiro de 2018, perto do seu aniversário de 91 anos.