Para muitos paulistanos, o dia 26 de março de 1968 foi o fatídico dia em que o bonde saía definitivamente de circulação das ruas da cidade.

Símbolo de modernidade de várias capitais mundiais, o bonde sucumbiu ao crescente número da população e à competição com outros meios de Transporte que prometiam diminuir o tempo de deslocamento.

Mas, basicamente, sua extinção estava mais ligada à política progressista do prefeito da época, Prestes Maia.

Segundo ele, numa cidade em plena expansão não caberia a preservação do transporte feito sobre trilhos nas principais vias paulistanas. Era um sinal lacônico e triste para quem teve orgulho de ver 700 km de trilhos assentados por ruas, avenidas e alamedas que interligavam diversos bairros de São Paulo.

Ademais, Prestes Maia dizia que o transporte era custoso e estava ficando muito ineficiente. A cidade crescia, crescia e crescia sem parar.

E mais pontos contrários para a manutenção do bonde vieram à tona: acidentes de trânsito, panes elétricas, veículos velhos e sem manutenção, início dos congestionamentos.

Em vez de tomar uma medida radical, Prestes Maia foi retirando o bonde de circulação aos poucos. Tal procedimento tinha também outro viés: o prefeito queria implantar o sistema de ônibus coletivos; no entanto, ele sabia que não dispunha de condições mínimas para colocá-lo em prática.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Tiro de misericórdia

Mesmo pregando o fim do transporte por bondes, não coube a Prestes Maia acabá-lo. Foi com seu sucessor na Prefeitura, Faria Lima, que o bonde saiu das ruas para não nunca mais ser visto ou utilizado.

Na época, Faria Lima se elegeu compromissado com a criação e implantação do Metrô paulistano. Entre a extinção do bonde e a fundação da Companhia do Metropolitano, houve somente o espaço de um mês. Um fato curioso.

Último dia: comoção

Coube ao motorneiro (motorista do bonde) Francisco Lourenço Ferreira fazer a última viagem de bonde por São Paulo. Escolhido a dedo por ser o mais antigo de todos os profissionais, Francisco teve a difícil tarefa de conduzir o bonde. Era a linha de número 101 que ligava o Instituto Biológico (na Vila Mariana) até o Largo 13 de Maio, no bairro de Santo Amaro.

O veículo foi ornado com luzes, bandeiras do Brasil e do estado de São Paulo.

Os carros que circundavam o queridinho bonde traziam mensagens como: “A viagem do adeus”.

Políticos e população não queriam perder o acontecimento, embora por motivos diversos. Deputados, vereadores e o próprio prefeito Faria Lima lotaram o primeiro bonde naquele dia de março de 1968.

Logo atrás, seguia um outro bonde, dentro do qual uma banda tocava marchas e valsas. No caminho percorrido pelas Avenidas Ibirapuera, Ver. José Diniz e Adolfo Pinheiro perfilava uma população que, de acordo com relatos da época, chorava.

Será possível sua volta?

Segundo urbanistas que pesquisam o tema de transporte por bondes, há condições e possibilidades para que o simpático e romântico “trenzinho” volte a circular. Um urbanista aponta a região servida pelas Avenidas Celso Garcia e Rangel Pestana como corredores viáveis, já que parte de seu entorno está de portas fechadas ou ocioso. Ele apenas acrescenta que é preciso expandir uma visão mais urbanística, no qual os bondes façam parte interligada a projetos como o sistema do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), auxiliando na revitalização da região citada.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo