Sete tumbas com uma grande quantidade de múmias de gatos foram encontradas por arqueólogos em Saqqara, a 30 km do Cairo, capital do Egito. Outras descobertas surpreendentes também foram encontradas neste sítio como múmias de escaravelhos e mais de 100 estátuas de madeira dourada e uma de bronze da deusa gata Bastet.

Outros animais também estavam representados em estátuas douradas: um leão, uma vaca e um falcão.

Em uma tumba retangular de pedra calcária foram encontrados dois grandes besouros escaravelhos mumificados.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Educação

Mais uma coleção de besouros estava em um outro túmulo.

A região de Saqqara já é conhecida entre os arqueólogos como uma grande necrópole da antiga Mêmphis, onde os primeiros faraós e tumbas haviam sido encontrados.

Segundo a Agência France Presse (AFP), a região onde se encontra o sítio fica na área rochosa de Userkaf e era uma necrópole real de Saqqara.

O Ministro de Antiguidades do Egito, Khaled El Enany, afirma que três das tumbas eram datadas do Novo Império e foram usadas como necrópole para gatos. As outras quatro tumbas datariam ainda do Antigo Império, em torno de 4.300A.C., sendo que de todas elas a mais importante seria a tumba de Jufu-Imhat, guardião do palácio real, datada do período da Quinta Dinastia e do início da Sexta.

O secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades, Mostafa Waziri, disse que a missão egípcia, que funciona no local desde abril, também encontrou os primeiros besouros mumificados descobertos na necrópole de Mêmphis.

Mas porque gatos e besouros eram tão importantes a ponto de serem mumificados no Egito?

Os escaravelhos eram utilizados pelos egípcios antigos como amuletos, funerários ou cotidianos, e selos, com nomes da realeza e de pessoas comuns.

Um tipo de amuleto funerário, o escaravelho-coração, é conhecido como um dos mais importantes para assegurar que o morto chegasse ao Mundo Inferior sem contratempos.Na natureza, os do Egito eram besouros grandes e coloridos, muito conhecidos como rola-bosta, por seu habito de fazerem bolinhas formadas por excrementos de grandes animais, onde as fêmeas depositam seus ovos.

Já os gatos, eram adorados por sua habilidade em caçar ratos, ajudando a preservar os grãos armazenados em celeiros e evitando doenças espalhadas pela urina dos roedores. A natureza é sábia e os egípcios respeitavam esse equilíbrio entre os animais. Durante a Idade Média,quando houve a perseguição aos felinos como animais de bruxaria, sua eliminação como predador trouxe a tona, a doença da peste negra.

Mumificar os animais era uma prática bem conhecida na Idade Antiga, principalmente no Egito Antigo. Arqueólogos datam a prática sendo muito aplicada durante o período conhecido como Novo Império.

A múmia de gato mais antiga conhecida foi datada de 1.500 a.C.

Em diversas escavações, uma quantidade enorme de animais mumificados vem sendo encontrada, sendo que somente na cidade de Beni-Hassan, na margem leste do rio Nilo, mais de 300 mil múmias felinas foram encontradas; já no Cairo, por sua vez, há registros de gigantescos cemitérios com mais de 4 milhões de gatos mumificados. Muitas vezes as múmias desses felinos eram oferecidas à deusa gata Bastet.