O Brasil conquistou nesta sexta-feira (5) seu vigésimo segundo local de valor universal e cultural reconhecido pelo Comitê da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) em uma reunião realizada em Baku, capital do Azerbaijão.

No entanto, este título tem um sabor a mais para o Brasil: é que o conjunto Ilha Grande/Paraty (RJ) representa o primeiro patrimônio nacional caracterizado com sítio misto, ou seja, concorria simultaneamente como bem cultural e natural.

Em dados espaciais, a Unesco reconheceu cerca de 149 mil hectares, abrangendo a parte histórica de Paraty e os Parques Nacionais da Bocaina e da Ilha Grande, a Reserva Biológica Estadual da Praia do Sul e a Área de Proteção Ambiental de Cairuçu.

Se se levar em conta as 187 ilhas que estão dentro desse patrimônio misto e que fazem parte da Costa Verde do Rio de Janeiro, a área aumenta para o total de 407 mil hectares. Muitas destas ilhas estão com a vegetação natural intacta.

Para se chegar ao título

Para que um patrimônio cultural da humanidade se torne oficial, é preciso cumprir alguns critérios: o primeiro é que o lugar seja exemplo de preservação das relações culturais; o outro é conter os habitats naturais mais relevantes para manter a conservação da biodiversidade.

A partir de análises, a ONU determina se tal lugar é de cunho cultural, natural ou misto.

Ao todo, o Brasil possui 14 patrimônios culturais e 7 naturais. A inscrição para o vigésimo segundo foi feita em 2018 e não foi a primeira tentativa de incluir essas localidades no radar da Unesco. Antes, em 2009, a aprovação esbarrou na última fase pelo motivo de falta de elementos suficientes que atestassem a outorga de Patrimônio Mundial da Humanidade. Em seguida, sugeriu-se que o Brasil deveria fazer uma remodelagem, gastando nesse procedimento, quase dez anos de trabalho.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Natureza Viagem

Com o anúncio, Paraty e Ilha Grande se juntam a outros locais que sabem o gosto do que é ser um Patrimônio da Humanidade. Entre os privilegiados estão Olinda, em Pernambuco, o Parque Nacional do Iguaçu, no Paraná, e Ouro Preto, em Minas Gerais.

A principal vantagem deste título é que, a partir de agora, toda a comunidade internacional tem a obrigação e a responsabilidade de preservar as características das áreas demarcadas. Melhor dizendo: não somente o Brasil, mas o resto da população da Terra (seja um país, um grupo ou uma associação) pode atuar na conservação e tratamento desse local declarado como mundial.

Olhando acuradamente

De acordo com um parecer do Icomos, órgão assessor da Unesco, o espaço "tem a capacidade de demonstrar um exemplo excepcional de uso da terra e do mar e interação humana com o meio ambiente". A extensão do novo núcleo de conservação envolve municípios do Rio de Janeiro e de São Paulo. Do lado paulista, quatro cidades foram agraciadas: Cunha, Areias, São José do Barreiro e Ubatuba. No lado carioca, além de Paraty, inclui-se Angra dos Reis.

Aproximadamente 85% da vegetação está bem preservada e tem como bioma predominante a Mata Atlântica.

Dentro dela, é possível avistar várias espécies de animais e plantas. Algumas são endêmicas.

Do ponto de vista étnico, o lugar abriga duas áreas indígenas, duas comunidades quilombolas e 28 comunidades caiçaras, convivendo em harmonia com a Natureza. Nesses grupos raciais, pode-se perceber a conservação do modo de vida preconizado pelos seus ancestrais.

Expectativas

O anúncio foi muito bem-vindo pelas autoridades brasileiras, trazendo reconhecimento à história e arquitetura coloniais –como se observa em Paraty.

O governo brasileiro espera que mais gente virá de outras partes do globo para conhecer o lugar, estimulando e incrementando o ramo do turismo na região.

Por outro lado, o tombamento induz à responsabilidade de cumprir permanentemente os requisitos, visando à perpetuação e manutenção deste título. Que ele não seja revogado no futuro e que, portanto, a preservação do mais recente Patrimônio Mundial da Humanidade seja constante e vigilante.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo