Somente claro ou escuro, borrões de luz ou tons de cinza: é assim que o recém-nascido vê o mundo. Ao contrário de outros mamíferos, como os cães e gatos, que nascem completamente cegos, nossos filhotes chegam com os olhos bem abertos. Mas, no começo da vida, são incapazes de reconhecer formas porque ainda não há memória na retina. É como se eles viessem com um filme em branco na cabeça, que precisa ser preenchido aos poucos. Ao final do primeiro mês de vida, já conseguem distinguir o rosto da mãe e acompanhar o movimento de objetos.

Publicidade
Publicidade

A partir dessa época, também já podem distinguir cores primárias – vermelho, verde e azul.

As crianças demoram até por volta dos 4 anos de idade para ganhar essa percepção bem definida de ontem, hoje e amanhã que você tem. Mas não que eles nasçam sem memória. Desde os primeiros meses de vida, já têm memória de reconhecimento social: aquela capacidade de identificar pessoas e objetos já vistos antes, como o rosto da mãe ou da Galinha Pintadinha. Também podem reconhecer vozes e sons que já ouviam desde o útero.

Publicidade

Entre seis meses e um ano, desenvolvem a memória de curto prazo, que permite lembrar-se de fatos que aconteceram em um breve espaço de tempo – como quando ele tentava engatinhar e caía. Podem até se lembrar e imitar aquela careta que você fez uma semana atrás. Já a memória de longo prazo, que vai reter informações mais complexas, como nome de objetos e onde fica seu quarto, só começa a ser construída depois do primeiro ano. É quando regiões do cérebro responsáveis por elas, como o hipocampo, começam a amadurecer.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Literatura

Nos Estados Unidos (EUA), o pequeno Emmet, de dez meses, se enreda nos livros de histórias infantis que sua mãe lê. O fascínio pela Literatura e suas fantasias é tão grande que, quando a história acaba, ele começa a chorar. A forma como ele reage sempre que seus pais, Dan e Alicia Stevers, terminam de ler uma historinha para ele prova que chegar ao fim da leitura de um bom livro pode ser mesmo desolador.

O engraçado é que assim que terminam de ler um livro para ele, Emmet chora desesperadamente como se estivesse muito, muito triste por a história ter chegado ao fim.

Conheça o menino Emmet:

Emmet sempre que sai para passear transporta um carrinho com os Livros preferidos, a leitura faz parte do cotiano dele logo cedo, veja abaixo que fofura.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo