Tendo um dia-a-dia cheio de afazeres, compromissos em casa, no trabalho, em um ambiente escolar, ou na vida amorosa, a maioria das mulheres hoje em dia estão expostas aum constante estresse. Além de afetar a saúde física e psicológica, um estudo inglês realizado por pesquisadores dos Estados Unidos, em parceria com a Universidade de Oxford, localizada na Inglaterra, demonstrou que o estresse na mulher pode afetar diretamente no sexo do bebê caso ela esteja grávida.

Aquelas que estão passando por momentos estressantes em semanas ou meses que antecedem à concepção, correm o risco de diminuir a possibilidade de ter um filho de sexo masculino.

O cortisol é o responsável

A pesquisa realizada no Reino Unido contou com a participaçãode 338 mulheres que estavam dispostas a engravidar. As informações foram coletadas diariamente, e se tratavam tanto da vida pessoal dessas voluntárias, como também da vida sexual.

Vários questionários eram passados no dia-a-dia para as participantes, para que ficasse mais claro o que elas estavam sentindo em situações determinadas.

O cortisol é o hormônio mais interligado ao estresse, e claro, foi verificado e medido em todas as fases da pesquisa. Quando a pessoa está submetida há um estresse de longo prazo, os níveis do cortisol geralmente sobem.

Além de todos esses dados, outra informação utilizada pelos pesquisadores, visando sustentar ainda mais a credibilidade da pesquisa, foi a estimativa de que o número de nascimento de bebês de sexo masculino, caiu demais após o atentado que afetou as Torres Gêmeas, nos Estados Unidos, no dia 11 de Setembro de 2001. Também aconteceu o mesmo quadro na crise econômica que ocorreuapós aqueda do muro que separava Berlim.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades Maternidade

A chance de ter menino diminuiem até 75%

Podem parecer números bem drásticos, mas a estimativa segundo a pesquisa é que as chances de se ter um menino, quando a mãe passa por longos períodos de estresse, são reduzidas em até 75%.

Nenhum estudo que seja conclusivo ainda foi divulgado, explicando porque o nível de cortisol está associado com a definição de sexo dos bebês. Uma das hipótesesé que os embriões de sexo masculinoseriam mais frágeis e, portanto, mas suscetíveis a sofrerem um aborto graças ao nível elevado de cortisol.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo