A maioria das pessoas sempre teve curiosidade em saber se existe vida em outros planetas. Edgar Mitchell era astronauta da Nasa (Administração Nacional do Espaço e da Aeronáutica) e foi o sexto homem a pisar na Lua, em meados do ano de 1971, durante a famosa missão Apollo 14. Mitchell foi o piloto da aeronave Antares que, na época, quando retornou a Terra, trouxe 40 quilos de rocha lunar para análise dos cientistas.

Logo depois de sua aposentadoria, o astronauta decidiu fundar o ICN (Instituto de Ciências Noéticas), responsável por estudar fenômenos ainda não desvendados pela ciência, como os extraterrestres por exemplo.

Edgar Mitchell faleceu aos 85 anos.

Porém, antes da sua partida, o astronauta resolveu dar uma entrevista que acabou deixando pessoas do Mundo inteiro ainda mais curiosas acerca da existência de alienígenas. Segundo o astronauta, ETs já visitaram a Terra, exatamente na época da Guerra Fria, e eles foram os responsáveis por ajudar a impedir uma Guerra Nuclear. "Os extraterrestres nos ajudaram a impedir a guerra e, ainda, queriam ajudar a criar a paz mundial", afirmou Mitchell, em uma entrevista para o site Mirror.

O astronauta afirma que os Ovnis foram avistados próximos às bases militares. "Na época do fato, conversei com muitos oficiais da força aérea que estavam trabalhando nesses locais durante a Guerra Fria, eles afirmaram que as naves foram vistas com muita frequência e tinham capacidade de desativar os mísseis.

Os melhores vídeos do dia

Alguns oficiais da Costa do Pacífico, afirmaram que alguns mísseis foram derrubados por Ovnis", relatou Mitchell.

Segundo o astronauta, essa história não foi revelada antes porque o Governo dos Estado Unidos preferiu esconder o ocorrido para não gerar pânico nas pessoas. Na época, Trumam era presidente do país, e ele convocou pessoas da CIA (Agência de Inteligência Americana), para estudar sobre os UFO, e chegaram à conclusão que realmente se tratava de extraterrestres. Justamente por isso, foi criado o Ato de Segurança Nacional em 1947, responsável por jamais revelar casos como esse.

Confira abaixo a entrevista de Mitchell: