A masturbação é um assunto comum de se falar e complicado ao mesmo tempo. Comum, pois entre o público masculino a prática é normal, e para alguns até mostra sua masculinidade. Complicado porque, apesar de ser uma prática que a maioria dos homens fazem, ainda se fala muito pouco sobre o tema.

Assunto esse que ainda é cercado por muitos tabus e que foi moldado erroneamente pela sociedade com o passar dos anos, principalmente relacionado às mulheres, que, assim como os homens, também se masturbam.

Os homens desde que começam a atingir a puberdade são estimulados a gostarem da prática e sempre fazê-la, enquanto as mulheres são ensinadas que é algo estritamente proibido.

Essa separação da masturbação como algo ligado ao gênero, assim como o fato de se falar pouquíssimo sobre o assunto, pode levar à ignorância parcial ou total dos inúmeros benefícios que o ato pode trazer, tanto para os homens quanto para as mulheres.

Dúvidas comuns, porém importantíssimas, não são esclarecidas muitas vezes por vergonha do assunto. Por este motivo, trouxemos uma lista com as dúvidas mais frequentes sobre o ato, mas que as pessoas não perguntam pois sentem vergonha. Confira:

  • Efeitos da masturbação

Como já dito, a sociedade criou ao longo do tempo verdadeiras lendas sobre o ato, mascarando assim a realidade. A masturbação pode prevenir problemas psicológicos e fazer com que a mulher se sinta mais desejada, atraente e até mesmo amada, pois o conhecimento sobre seu corpo e o poder que ele tem irá aumentar com a prática.

Os melhores vídeos do dia

O autoconhecimento irá ajudar na hora de dar e receber prazer, portanto, além de masturbar-se é importante ainda conversar com o (a) parceiro (a) sobre o que descobriram com o ato.

Muito pelo contrário. A prática pode ajudar a fortalecer músculos, prevenir doenças cardíacas, ajuda na prevenção do câncer de próstata (o orgasmo atingido de qualquer maneira) e ainda pode ajudar a cair no sono mais rápido e dormir melhor (o orgasmo atingido de qualquer maneira).

É importante deixar claro que o artigo acima se refere a benefícios para a saúde, não tendo nenhum vínculo com religiões. O conceito do ato pode variar de uma cultura para a outra, podendo ser proibido em algumas culturas. Respeitamos igualmente todas as culturas e religiões.