No Brasil as famosas mulheres frutas viraram sensação por todos os lados e são reconhecidas por onde passam. Tem mulher fruta para todos os gostos e as meninas abusam do eufemismo criado pela propaganda de serem uma ‘mulher comestível’. Tanto que o furor de novas subcelebridades foi o lançamento das mulheres frutas, que duraram por bastante tempo e até hoje fazem sucesso por aí trabalhando de modelos ou até mesmo DJ’s.

Publicidade
Publicidade

Algumas pessoas possuem tanta ligação com outras formas de vida que começam até a incorporar os hábitos dessa paixão doentia. No caso das mulheres frutas foi muito mais jogo de marketing que paixão pela fruta escolhida. Esse já não é o mesmo caso da mulher girafa, que está fazendo sucesso na internet com seu aspecto esguio parecido ao do animal.

A americana Sydney Smith de 30 anos vive em Los Angeles na Califórnia e é conhecida internacionalmente como a mulher girafa.

Publicidade

A mulher é apaixonada pelo animal e resolveu até esticar o pescoço para se parecer com o mamífero que habita as savanas da África.

Durante cinco anos Sydney utilizou argolas no pescoço que pesavam quase dois quilos. Mas, após tanto sofrimento em busca de ser igual a uma girafa, a californiana acabou acumulando problemas em sua vida por conta de seu hábito estranho.

A mulher disse que não se relacionava mais com outras pessoas e que sua vida era um inferno com as argolas que a impossibilitava de mover o pescoço.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

O adorno era composto por 15 anéis que aumentavam o pescoço da mulher gradativamente. Existe uma tribo indígena onde este costume é uma tradição completamente cultural, localizado no sudeste da Ásia chamados Kayan. O povo dessa região coloca argolas no pescoço de meninas muito jovens, que vão recebendo mais anéis com o passar dos anos.

Sydney inspirou-se no povo Kayan para se parecer com uma girafa.

Só que diferente dos indígenas, a mulher começou a fazer isso na vida adulta, pois no caso da tribo indígena, o pescoço cresce a medida que o corpo se desenvolve, o que não acontecia com Sydney. Após cinco anos ela não aguentou mais a dedicação ao adorno que imobilizava seu pescoço e decidiu abandonar o sonho de ser a mulher girafa. Assista:

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo