Quando se pensa em assassinatos a sangue frio e torturas diabólicas, sempre pensamos em um homem. Mas não se engane, algumas mulheres foram tão perversas que entraram para a história. A maioria delas com cara de senhoras do lar, tímidas e recatadas. Mas as atitudes fizeram delas o pior pesadelo de suas vítimas. Agora você irá conhecer as cinco mulheres mais diabólicas da história.

Ilse Koch

Apelidada por suas vítimas de ''a bruxa de Buchenwald'', Ilse Koch era esposa de um nazista militar.

Publicidade
Publicidade

Ele era comandante em campos de extermínio de Majdanek e Buchenwald.

Ilse atuava como supervisora dos prisioneiros, ela que ''cuidava'' dos judeus os torturava retirando pedaços de pele tatuadas ou não e guardava para si. Em seguida os matava.

Belle Gunness

A Mulher de origem norueguesa pesava mais de 90 kg e media pouco mais de 1,80m. Ela ficou famosa nos EUA por assassinar brutalmente mais de 20 pretendentes, dois dos seus maridos e os filhos.

Publicidade

Ela matava os homens que se interessavam por ela e colocava fogo em suas propriedades, para depois receber pensões e seguros do governo americano.

Irma Grese

Ela foi a mulher mais jovem (22 anos) a ser enforcada com base nas leis britânicas. Ela, que era da guarda feminina e uma nazista sádica, era conhecida pelos prisioneiros como a ''cadela de Belsen''.

Andava sempre com botas pesadas, chicote e uma arma. Ela era guarda nos campos de concentração de Ravensbruck, Auschwitz e Bergen-Belsen e considerada a nazista mais cruel de todos os tempos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Mulher

Quando foi presa, acharam abajures feitos de pele humana e dois corpos escalpelados em seu quarto.

Nannie Doss

Essa mulher, que tinha aparência calma e sempre um sorriso no rosto, confessou sem nenhum gesto de comoção ou arrependimento que matou quatro maridos, um sobrinho, um neto, duas filhas, duas irmãs e a própria mãe, todos envenenados com arsênico, e o pior sem motivo algum.

Jiang Qing

Essa mulher comandou a revolução cultural chinesa mais sangrenta da história.

Foram destruídos na época diversos artefatos, livros, monumentos e quadros. Artistas intelectuais foram obrigados a trabalhar como escravos. A fome chegou e mais de 500 mil chineses morreram na época.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo