Apesar de ainda haver situações absurdas causadas pela humanidade, muita coisa evoluiu e em vários quesitos melhoramos. Uma dessas questões é o tratamento oferecido as pessoas com problemas mentais.

Antes, essas pessoas eram excluídas da sociedade, e trancafiadas em hospícios [VIDEO], palavra que, inclusive, caiu em desuso para morrer a própria sorte. Tanto as famílias quanto a sociedade não sabiam como lidar com esses deficientes, e essas pessoas tinham um dramático fim em casas sem nenhuma estrutura, e aonde eram submetidas a sessões de torturas e experimentos disfarçados de tratamento.

Ainda hoje, claro, a vida num hospital psiquiátrico não é fácil. As pessoas ficam isoladas de seus familiares e recebem visitas esporadicamente. Ainda existem inúmeros casos de maus tratos, mas isso tem sido cada vez mais denunciado, e com o tempo, erradicado.

As casas de tratamento psiquiátrico também eram o destino dos rebeldes

Engana-se quem acha que somente as pessoas que realmente apresentassem algum problema mental estavam fadadas a esse trágico destino.

Comportamentos rebeldes e pessoas com pensamentos diferentes daquele “permitido” na época também eram punidas ao serem enviadas para os sanatórios.

Lá, eram submetidas a diversas sessões de tortura chamadas de “tratamento de choque”, que tinha um teor corretivo para “ensinar” o paciente como ele deveria agir. As famílias acusavam os rebeldes de loucura para que eles fossem excluídos da sociedade ao serem trancados nesses hospitais.

Foi nesses locais que começou a ser realizada a cirurgia chamada lobotomia. O processo extremamente invasivo consistia em abrir o cérebro dos pacientes e retirar uma parte chamada hemisfério.

Esse tratamento cruel foi muito usado para acalmar os pacientes que demonstravam maior agitação ou agressividade. Geralmente, eram pessoas que sofriam de esquizofrenia, doença psiquiátrica que foi muito condenada e que por diversas vezes era confundida com possessão demoníaca.

Também era comum aplicar a lobotomia em casos de convulsão.

Com o tempo, esse tratamento foi extinto e deu lugar aos medicamentos que ajudam a controlar o comportamento dessas pessoas sem comprometer a sua saúde ou suas funções. Numa rápida passada pelas imagens que registravam o terror dentro desses hospitais é possível entender as condições desumanas a que eram submetidas esses pacientes.

Falta de higiene, falta de cuidados e principalmente falta de amor são apenas alguns dos problemas desses lugares que hoje seriam facilmente interditados, mas que durante décadas foram considerados “normais”.

Separamos algumas imagens que mostram sessões de tratamento e massagens que mais parecem tortura, e até mesmo jaulas em que crianças eram trancafiadas quando eram consideradas agitadas demais.

Tudo isso nos faz entender que, ainda que a passos lentos, a humanidade tem evoluído e estamos cada vez mais próximos de entender e tratar pessoas com qualquer alteração psiquiátrica de forma completamente respeitosa e eficaz.

Confira:

1 - Paciente em uma cadeira de punição no ano de 1869.

2 - Hidroterapia em 1936.

3 - Hospital psiquiátrico abandonado na Itália.

4 - Raio-X de paciente com dezenas de agulhas em seu corpo.

5 - Armários de vapor do ano 1910.

6 - Asilo assustador de década de 1970.

7 - Desenho feito por paciente que sofria de esquizofrenia.

8 - Sala de jantar no porão.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo