Apesar dos boatos que se espalham com cada vez mais força, é necessário relembrar que a quimioterapia é uma forma de Tratamento contra o câncer. Às vezes, a mídia faz parecer o contrário devido a efeitos colaterais como a queda de cabelo, o que nem sempre acontece. Apesar de ser um tratamento impactante, consegue ser eficiente em muitos casos e evita muitas mortes.

1 – Infertilidade

O risco de esterilização, ou seja, de se tornar infértil, é real, mas é melhor prosseguir com a quimioterapia, mesmo com esse risco. Mas isso não impedirá o paciente de ser pai ou mãe, tudo devido às novas técnicas da medicina reprodutiva. Para o homem existe a técnica de congelamento de sêmen, para a qual não existe um prazo, mas já houve casos de uma gravidez realizada com o esperma preservado por 28 anos.

2 – Ficar longe dos animais

Em alguns casos, é realmente necessário se afastar dos animais de estimação, principalmente quando o paciente está com a imunidade baixa, pois se torna mais suscetível a infecções. Mas é somente em casos específicos, na maioria, isso não é necessário, os pets, na verdade, são muito importantes para o tratamento. Ter um animal de estimação, com toda a certeza, melhora não só a autoestima de quem está doente, mas o deixa muito mais feliz pela companhia dos bichinhos.

3 – Abstinência sexual

Fazer sexo é muito importante, mas devemos levar alguns fatores em consideração. O profissional médico responsável é quem vai analisar isso, mas não existe nada formalizado a respeito, dependendo das condições do paciente não há problema em fazer sexo. Mas existe um ponto, em especial com relação as mulheres, pois de maneira alguma elas podem estar grávidas no comecinho do tratamento, nem engravidar durante o mesmo, pois os remédios utilizados podem causar má formação do feto.

Pode fazer sexo, mas usando métodos contraceptivos.

4 – Mal-estar, vômito e náusea todo dia

Quanto mais o tratamento avança, menos esses sintomas serão sentidos pelos pacientes, pois essa é uma preocupação dos pesquisadores, mas a primeira sempre será a eficácia do tratamento [VIDEO]. Tudo vai depender da medicação e do paciente, isso porque todas as pessoas são diferentes entre si e reagem de maneiras muito diversas umas das outras. Existem medicamentos que são extremamente eficientes para uma pessoa enquanto em outro paciente ele simplesmente não faz efeito, é o mesmo que acontece com a quimioterapia.

5 – Ficar careca

O termo correto é alopecia, e invariavelmente dependerá da substância utilizada. Os “quimioterápicos” são de variados tipos e tudo vai depender de qual será mais adequado para o paciente, mas nem todos causam esse efeito colateral. Mesmo os que causam tem intensidades diferentes, os pacientes [VIDEO] tendem a raspar mais por uma questão de estética, para não ficar com “buracos” no cabelo. Mas até mesmo quem perde todos os fios irá recuperá-los com o fim do tratamento.