Seja católico ou não, é muito provável que já tenha assistido na TV a realização de uma cerimônia oficial na cidade do Vaticano. Se a resposta for sim, também é bastante provável que tenha prestado atenção em um grupo de homens com trajes medievais coloridos e de lança na mão, marchando e gritando palavras de comando enquanto escoltam o caminho do Sumo Pontífice.

Trata-se da Guarda Suíça, um destacamento militar cuja missão é dar proteção e garantir a segurança do Papa. Atualmente constituído por 110 membros, este grupo de soldados suíços carrega 511 anos de história e serviços prestados à Igreja.

Surgimento

A criação da Guarda Suíça remonta ao ano de 1506, quando o Papa Júlio II (1503-1513) requisita ao rei da Suíça para que lhe enviasse soldados que formassem sua proteção pessoal e do território pontifício.

O pedido foi atendido, e um grupo de 150 dos melhores soldados suíços foram enviados ao Vaticano.

Por volta do ano 1527, em ocasião dos conflitos entre o imperador Carlos V, do Sacro Império Romano Germânico, e o rei Francisco I, da França, o então líder da Igreja Católica, o Papa Clemente VII, se viu inclinado a apoiar a causa francesa. Como retaliação, Carlos V invade e saqueia a cidade de Roma com um exército de aproximadamente 18 mil homens.

Primeira batalha

Em razão do ataque, a recém-formada Guarda Suíça se viu em grande desvantagem diante do poderoso exército do imperador Carlos V. Ao realizar a escolta do Papa Clemente VII, os 150 soldados tiveram de enfrentar uma tropa de mil invasores germânicos.

Os guardas suíços fizeram um cordão de isolamento em torno do papa com o objetivo de levá-lo em segurança ao Castelo de Santo Ângelo.

Os soldados lutaram bravamente e 147 deles morreram em batalha. No entanto, mesmo em desvantagem, conseguiram derrotar 800 dos mil que os atacaram, cumprindo sua missão e provando seu valor.

Na atualidade

Atualmente, a Guarda Suíça atua na segurança pessoal do Papa Francisco e de autoridades estrangeiras em visitas oficiais. Nos últimos anos, sua atenção foi direcionada às constantes ameaças vindas do Estado Islâmico.

Em agosto deste ano, o grupo terrorista divulgou um vídeo no qual um integrante do grupo insinua que eles “chegarão a Roma”. Em 2015, Christoph Graf, comandante da Guarda, disse em entrevista ao jornal italiano ‘’Il Giornale’’, que estão preparados para intervir em caso de um atentado terrorista.

Recrutamento

Para ser um membro da Guarda Suíça, o candidato deve ter entre 19 e 30 anos, ser católico, não ser casado e ter passado pelo curso básico de formação dado pelo Exército suíço.

Além de disciplina e bom comportamento, os soldados devem participar das celebrações litúrgicas diariamente. Apesar da pompa e simbologia que reveste a história dos guardas suíços, este destacamento está apto a ações militares assim que requisitado.