A notícia é verídica, a Nasa, a agência espacial americana, abriu uma vaga para um novo protetor planetário. A tarefa do funcionário será muito simples, ele terá que defender a terra contra possíveis ameaças alienígenas. Umas das principais funções do contratado, será a de prevenir contaminações biológicas da exploração espacial feita por homens ou por robôs.

O risco que a agência espacial visa é a de uma possível contaminação que pode chegar através das espaçonaves, como também o risco de os seres humanos contaminarem os outros planetas.

Quem conseguir a vaga, receberá o salário tentador que pode variar entre US$ 124 mil a US$ 187 mil por ano, ou seja, ele receberá anualmente, de R$387 mil a R$583 mil. [VIDEO]

Mantendo o mundo longe de contaminações alienígenas

As inscrições foram feitas pelos cidadãos americanos entre o mês de julho até meados de agosto.

Até então, a notícia nem estava chamando muito a atenção até que chegou aos ouvidos de diversos veículos de imprensa dos Estados Unidos.

Ao contrário do que muitos pensam, a ideia não é nova. Desde o ano de 1967, já havia um acordo espacial internacional da ONU (Organização das Nações Unidas) assinado [VIDEO] que pedia a prevenção contra contaminações, medida essa cobradas das potenciais nações espaciais.

Entre os cuidados principais que foram listados pelo Escritório de Proteção Planetário da Nasa estão: o objetivo de manter os mundos sempre em seus estados naturais e também tomar precauções que protejam a biosfera terrestre, caso haja prova de que existe vida em outros planetas.

O emprego que existe de verdade!

Nos principais livros de ficção cientifica, o tema contaminação alienígena é sempre muito bem abordado e é comum de surgir, mas, até então, ninguém sabia que o assunto era mesmo levado a sério na vida real.

Atualmente, a ocupante do cargo de protetor do planeta se chama Catharine Conley. Em entrevista ao jornal ‘’New York Times’’ no ano de 2015, ela contou que quando foi trabalhar pela primeira vez, recebeu óculos escuros, iguais aos utilizados no filme ‘’Homens de Preto’’. Segundo ela, em sua opinião, a principal ameaça que existe são os próprios humanos.

A americana ainda disse que, se estamos em busca de vida em outros planetas, como Marte, seria desagradável levar vida terrestre para lá e acabar encontrando possíveis riscos de contaminação.

Como concorrer a vaga

Mesmo com o salário ‘’gordo’’, é bom explicar que, por conta das especificações do cargo, as exigências feitas pela Nasa ainda são muito complexas. Quem está interessado em trabalhar como protetor planetário tem que cumprir vários requisitos necessários.

Para concorrer a vaga, o candidato terá que ter um tipo de conhecimento avançado sobre a proteção do planeta. Ele precisará também ter experiência em programas espaciais de grande importância nacional.

Deverá ser formado em física, matemática ou em engenharia e terá que ser habilitado a atuar sob o maior nível de sigilo.

Realmente não é uma brincadeira!

Mesmo que seja difícil de acreditar, a Nasa leva a proteção do planeta muito a sério, tanto que a empresa já está se preparando para destruir a nave Cassini, que atualmente orbita por Saturno. Tudo para que não haja um choque depois de sua missão, para prevenir que haja uma possível contaminação de outro planeta. O mesmo procedimento foi feito com a nave ‘’Galileu’’, que orbitou pelo planeta Júpiter até o ano de 2003.

O assunto que envolve a limpeza e a descontaminação de aeronaves espaciais veio à tona recentemente por conta do incidente onde o vice-presidente americano, Mike Pence, encostou acidentalmente em um equipamento da Nasa, embora houvesse um grande aviso escrito: ‘’não toque’’.

A parte do equipamento em questão seria utilizada na Orion, que ainda está sendo construída. Depois do grande ‘’mico’’ do vice-presidente, a empresa espacial garantiu que a peça teria que ser rigorosamente esterilizada.