Entre 1920 e 1950, médicos receitavam cada vez mais cigarros aos seus pacientes, levando a crer que o consumo era algo elegante e pasmem, saudável. Médicos financiados pela indústria do tabaco apareciam em propagandas atraentes fumando e sempre com um maço de cigarros ao lado de seu estetoscópio.

Publicidade
Publicidade

Em 1944, um comercial da Camel fez um tremendo sucesso nos Estados Unidos, onde o slogan era: “Mais médicos fumam Camel do que outro cigarro”. Neste comercial aparecia um conceituado médico da época durante sua dura rotina de trabalho e em seu tempo de descanso aproveitava para acender um cigarro de tal marca.

Vários atores conhecidos da época, como Humphrey Bogart e Clark Gable, também estrelaram comerciais afirmando que o cigarro era um ótimo remédio para ansiedade, problemas intestinais e inflamações na garganta.

Médicos receitavam cigarros para pacientes
Médicos receitavam cigarros para pacientes

Hoje pode parecer surreal, mas durante 30 anos os anúncios de cigarros nas mídias de massa eram desta forma:

  • “Cuide de sua saúde, fume Chesterfield.”
  • “Você nunca sente que fumou demais. Esse é o milagre de Marlboro.”
  • “L&M, justo o que o médico recomendou.”
  • “Mais médicos fumam Camel do que qualquer outro cigarro.”

Atualmente não mudou muita coisa. Há mais de 50 anos a quimioterapia e a radioterapia vem sendo tratada pelos oncologistas como única saída para o tratamento de tumores e, todas as vezes que aparecem tratamentos menos danosos a saúde do paciente com câncer, é uma luta feroz para tentarem provar que não são eficazes, como é o caso da auto-hemoterapia, imunoterapia, fosfoetanolamina sintética dentre outros.

Publicidade

Assim como a prescrição do cigarro durante 30 anos por médicos, muitas outras substâncias como quimioterápicos ceifarão vidas durante dezenas, senão centenas de anos até que estudos sérios publicados sejam levados a sério e irão ter a devida atenção.

Vivemos em um mundo onde pesquisas científicas são manipuladas, profissionais da saúde que “saem da bolha" são coagidos e quem acaba sofrendo com isso tudo no final é o paciente. Todos puderam acompanhar o caso do omeprazol, um dos medicamentos mais vendidos do mundo para limitar a produção de ácido estomacal, ficando provado que a utilização a longo prazo pode causar câncer no sistema digestivo de acordo com cientistas da University College London.

Estudos científicos já vinham sendo publicado há vários anos e somente agora a mídia televisiva resolveu dar devida atenção. Enquanto isso só nos resta pesquisar muito sobre o que consumimos e se aquilo que está sendo prescrito é realmente eficaz ou, não estão sendo indicado por conta de um investimento financeiro por trás de tudo isso.

Leia tudo