Uma mulher morta [VIDEO] na África do Sul "deu à luz" a um bebê dez dias após sua morte. O corpo do bebê nascido foi descoberto entre suas pernas no dia anterior ao seu funeral [VIDEO]enquanto estavam prestes a prepará-la para o enterro. A visão do bebê [VIDEO] deixou os diretores de casas funerárias compreensivelmente chocadas.

"Estou no negócio por mais de 20 anos e nunca ouvi falar de um bebê de uma mulher morta nascer", disse o funcionário da funerária, antes de acrescentar que estavam tão chocados que nem sequer verificaram o sexo de o bebê.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Maternidade

Médico explica o caso

Embora isso pareça uma história incrível, esta não é a primeira vez que um cadáver fêmea morto expulsa um bebê de seu corpo. Há até um termo médico para isso - extrusão fetal pós-morte ou Nascimento do caixão.

Artigos e revistas médicas definem isso como a expulsão de um bebê após a mãe grávida morta atingir um estado avançado de decomposição. Acredita-se que seja causada pelo acúmulo de gases no corpo, que pode distender o útero e desencadear a extrusão fetal total ou parcial.

A mulher, Nomveliso Nomasonto Mdoyi, de 33 anos, estava grávida de nove meses quando morreu. Ela foi apressada para o hospital depois de se queixar de falta de ar. Ela deixou para trás outras cinco crianças. De acordo com o Times Live South Africa, alguns de seus vizinhos estão chamando de feitiçaria o "nascimento" pós-morte.

Apesar de ser atípico este caso, não foi o primeiro a ocorrer, outras mulheres também deu à luz após a morte.

A mãe da moça está chocada

Sua mãe expressou que já estava traumatizada com a morte súbita de sua filha, mas agora a notícia sobre o bebê expulso de seu cadáver aprofundou sua mágoa.

Um porta-voz da família disse ao Times Live que eles planejam consultar especialistas médicos e sangomas para obter mais explicações sobre o porquê aconteceu. Sangoma é um termo zulu que é usado para descrever curandeiros tradicionais na África do Sul.

O Daily Mail informa que um funeral foi mantido para mãe e bebê, e ambos foram cremados no mesmo caixão.

Outro caso de nascimento do caixão foi documentado pela edição de dezembro de 2005 da revista, Forensic Science, Medicine And Pathology. Nesse caso, um cadáver de mulher de 34 anos foi encontrado em um apartamento com a cabeça e o peito de um bebê morto entre as pernas. A mulher era uma viciada em heroína, e os relatórios de toxicologia pós-morte indicavam que a criança também tinha "intoxicação aguda por heroína".