Um vídeo com cenas fortes acabou fazendo em maio de 2015 o maior sucesso nas redes sociais e não é para menos [VIDEO]. As imagens mostram uma cirurgia de retirada de uma piramboia - uma espécie de enguia - de um homem. O conteúdo gerou dúvidas na época em que foi postado [VIDEO].

Alguns sites chegaram a creditar as imagens como sendo feitas por um hospital universitário brasileiro, enquanto outros garantem que o vídeo, apesar de assustador, não teria sido feito no Brasil, mas, sim, no exterior. O importante mesmo, no entanto, foi o quanto as imagens do procedimento cirúrgico impressionaram.

Imagens exibem cirurgia anal após enguia ficar presa em homem solitário

A enguia pode ser um peixe muito perigoso, especialmente quando alguém o usa de maneira inadequada.

Obviamente, o homem estava solitário e decidiu ter algum prazer ao colocar o bicho alongado, que pode lembrar um órgão masculino, em suas partes íntimas.

O homem não conseguiu mais tirar o animal do seu corpo, após introduzi-lo. O jeito visto pelo pobre coitado foi recorrer aos médicos. Ele foi ao hospital e os especialistas decidiram tirar o animal do corpo.

Médicos usam celulares para filmarem retirada de enguia de rapaz solitário

O procedimento realmente foi delicado. As imagens mostram o quanto o trabalho de um médico pode ser bastante aflito. Após muitos minutos se deparando com o animal e o corpo do homem, os médicos tiram o bicho de dentro dele e conseguem enrolar a piramboia em um pano.

O que chama a atenção, porém, é que na mesma sala várias pessoas aparecem portando aparelhos eletrônicos semelhantes a celulares com câmera.

Uma mulher, inclusive, ri da situação enquanto grava a cena. Isso gerou críticas, é claro. Afinal, a intimidade do pobre rapaz foi violada.

Alguns sites garantiram que uma representante do suposto hospital onde tudo foi filmado ficou sabendo das imagens pela imprensa. Ela reiterou que pediria que os profissionais não usassem mais celulares na sala cirúrgica e que um procedimento teria sido aberto para tentar identificar os responsáveis.

Uma possibilidade é que as imagens tenham sido feitas para estudo, mas que acabaram vazando. De qualquer forma, medidas administrativas punitivas poderiam ser tomadas. Sobre o paciente, apesar das imagens causarem verdadeiros calafrios, o homem estaria bem e assim que o caso viralizou, já havia sido liberado para voltar para sua residência, mas sem a enguia, é claro.