Uma mulher acabou sendo presa após dopar sua filha para que seu namorado pudesse abusar sexualmente dela. O fato foi registrado no dia 12 de julho de 2016.

Segundo informações, uma adolescente de 14 que tem problemas de deficiência visual e mental, acabou sendo violentada [VIDEO]. Diante da deficiência da garota, o casal se aproveitava para cometer abusos sexuais juntos. O caso foi denunciado pela professora da garota.

Em depoimento à polícia [VIDEO], a professora disse que notou algumas mudanças no comportamento da jovem. Durante alguns dias, a professora ia se aproximando cada vez mais da jovem, para saber se estava acontecendo alguma coisa.

Um belo dia, a adolescente disse para a professora o que se passava em casa.

Diante disso, a educadora da adolescente foi até a Delegacia de Manaus e conversou com a delegada Juliana Ribeiro. A educadora passou todas as informações que havia colhido da menina. Em seguida, a delegada abriu um processo sobre o caso. Depois de alguns dias, eles conseguiram ter acesso às conversas do Whatsapp da mãe [VIDEO]da menina. Assim que começaram as investigações, a garota foi retirada da mãe e levada para um serviço de acolhimento da capital.

Nas conversas, foram encontradas algumas provas, onde a mãe da jovem oferecia a virgindade da sua própria filha para o seu namorado. Juntos, eles doparam a menina e começaram a cometer diversos abusos sexuais. Segundo investigações, os abusos duraram cerca de 2 meses, onde a jovem foi abusada três vezes.

Alguns exames foram realizados no Instituto Médico Legal (IML) de Manaus e confirmaram a violência sexual.

A mãe da jovem foi presa e já na delegacia, confirmou todo o crime. Em depoimento, ela afirmou que dopava a filha para satisfazer as vontades sexuais de seu namorado. Ela também afirmou que foi influenciada por ele.

Namorado negou

O namorado identificado como Rogério Correa de Lima, negou o crime. "Eu estou com a minha consciência bastante tranquila, porque esses atos não aconteceram. Eu nunca encostei na criança, e se houve estupro, foi bem antes de mim. A gente falava muitas bobagens no Whatsapp, mas nunca teve ato sexual", afirmou o elemento.

A delegada afirmou que já tem provas suficientes para incriminar os dois acusados. Durante a entrevista, a mãe da jovem apareceu com uma máscara preta, pois estava bastante envergonhada do que fez e não gostaria de mostrar o seu rosto diante das câmeras. Até o momento, os elementos se encontram detidos.