Suzane Von Richthofen deixa nesta manhã de quinta-feira (8), a penitenciária de Tremembé. Ela vai passar o feriado de Páscoa com seu noivo, Rogério Olberg. Suzane foi condenada por matar os pais em 2002. Foi um crime bárbaro que repercutiu o mundo todo. Ela já cumpriu um sexto da pena, também possui comportamentos exemplar dentro da cadeia. Os advogados da detenta tetam sua liberação definitiva.

Segundo a revista Veja, o processo que pode libertar de vez Suzane, aguarda a assinatura da juíza, Wania Regina Gonçalves da Cunha da 1° Vara de Execuções Penais de Taubaté. Paulo Palma é o promotor responsável pelo caso. Ele quer que Suzane faça o teste de Rorschach antes da decisão.

Esse teste serve para revelar traços de personalidades. A magistrada [VIDEO] rejeitou o pedido do Ministério Público, porque Suzane já faz o exame há quatro anos. Mas o promotor recorreu a instância superior para pedir o exame.

Ao deixar a cadeia, Suzane saiu acompanhada do noivo e não falou com os jornalistas. Ela vai passar o feriado de páscoa na casa do noivo, que mora no interior paulista em Angatuba. Segundo o Jornal O Globo, a detenta está no regime semiaberto desde de 2015. Ela tem direito a 5 saídas temporárias no durante o ano. Há comentários de que dentro de 40 dias, a condenada pode ir para o regime aberto. Os advogados de Suzane alegam que ela já cumpriu o tempo previsto por lei e apresenta bom comportamento.

Suzane foi condenada junto com seu ex-namorado Daniel Cravinhos pelo crime dos pais em 2002.

Ela foi condenada a 39 anos de cadeia, o irmão de Daniel também participou do crime. Na época, a condenada permitiu que os irmãos matassem os pais a pauladas. O crime chocou o mundo inteiro, as pessoas se revoltaram com a atitude de Suzane. Foi um crime cruel e bárbaro. Ela se diz arrependida do crime. Quando chegou na prisão foi muito maltratada pelas outras detentas, que não aceitavam o que ela fez.

Suzane [VIDEO] passou muitas coisas durante o tempo que está presa, mas ganhou autorização para trabalhar e estudar dentro do presídio. Suzane mostrou interesse em fazer curso de Administração a distância. Ela receberia todo o material salvo em disquete, mas não teria acesso à internet. A direção da unidade alegou que não tinha estrutura suficiente para o curso. A detenta tentou fazer o curso presencial e chegou a prestar vestibular em 2016. Ela foi pré-selecionada, mas acabou desistindo do curso, porque ficou comedo da reação das pessoas aqui de fora.

Suzane já tem autorização concedida neste primeiro semestre de 2018, para estudar Administração EAD. Caso ela vá para o regime aberto, a confecção garantiu emprego a ela. Suzane diz que pretende fazer um curso superior e recomeçar a vida ao lado do seu noivo.