Você toparia visitar uma exposição na qual precisasse estar completamente nu(a)?

Acredite ou não, muitas pessoas não só topariam como estão verdadeiramente ansiosas por essa oportunidade. A proposta é simples: em uma determinada data e horário, o público não só pode como deve comparecer ao museu completamente despido, para uma visita guiada à exposição de Arte contemporânea - que surpreendentemente não tem nada a ver como nudez.

É claro que algo assim jamais poderia acontecer no Brasil. [VIDEO]Pelo menos, não por enquanto. A ideia é do museu Palais de Tokyo, em Paris. Na cidade, todos comentam a respeito da ''visita naturista'' ao Palais de Tokyo; os ingressos para a exposição esgotaram em menos de 48 horas.

O espaço só comporta 3145 pessoas, e não há mais bilhetes de visitação disponíveis.

No Facebook, a página da associação de naturismo Association des Naturistes de Paris, a ANP, que está responsável pela organização desse evento, já conta com mais de 2 milhões de participações de internautas que clicaram, comentaram ou marcaram-se como ''interessados'' no evento, marcado para o dia 5 de maio deste ano, às 9h30.

Ou seja, o Palais de Tokyo está dando o que falar. A exposição na qual os visitantes devem ingressar completamente despidos chama-se Discorde, Fille de la Nuit (Discórdia, Filha da Noite, em tradução livre) e trata do impacto de conflitos e guerras sobre nossa sociedade. Na prática, a mostra é formada por cinco exposições separadas de arte contemporânea, além de uma instalação.

Aberta ao público em fevereiro, esta mostra traz obras de Georges Henry Longly, Neïl Beloufa, Marianne Mispelaëre, Massinissa Selmani e Anita Molinero, além da dupla Jean-Jacques Lebel e Kader Attia.

A ANP define a estreia da mostra como ''um momento histórico'' para Paris. O objetivo desta associação é desenvolver um conceito que eles chamam de ''naturismo urbano''. A ANP defende que a prática do naturismo não deve mais estar restrita aos parques de camping ou praias naturistas.

O jornal britânico ''The Guardian'' sugere, no entanto, que o Palais de Tokyo não seja assim tão vanguardista quanto aparenta. Segundo a publicação, a ideia de uma visita naturista teria sido do próprio museu, que, depois de pensar muito no assunto, talvez tenha concluído que algo assim seria polêmico demais e atribuindo a iniciativa apenas a Association des Naturistes de Paris, que, de fato, tem cuidado de toda a divulgação do evento. O museu sequer falou sobre o evento, deixando que apenas a ANP o divulgasse.

Segundo Dolores Gonzales, responsável pelo setor de imprensa do centro cultural Palais de Tokyo, a iniciativa está prevista como uma espécie de ''teste'', embora outras visitas semelhantes ainda não apareçam no planejamento do museu. Ela diz que esta visita faz parte de uma ''estratégia de abertura'' do centro cultural.