No dia 27 de fevereiro, foi publicado no canal de notícias Band [VIDEO] uma informação a respeito do abatimento misterioso de 60 galinhas que foram encontradas mortas em um galinheiro localizado em Bairro Alto, na cidade de Curitiba. A proprietária do galinheiro e os demais vizinhos não souberam explicar o que aconteceu no local. Entretanto, dois detalhes chamaram a atenção dos especialistas. De acordo com informações, os Animais tiveram seus corações arrancados do peito.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Animais

Os investigadores também não encontram nenhum vestígio de sangue no local do ataque.

Em entrevista para a TV Band, a proprietária do galinheiro contou que não percebeu nada durante a noite.

O caso só foi descoberto pela manhã do dia 28, quando as galinhas foram encontradas mortas. Na época, o incidente chamou a atenção dos moradores locais, que acionaram a Patrulha Ambiental para investigar o ocorrido.

''A gente acordou pela manhã e pode percebeu esta cena horrível, as aves estavam todas deitadas em circulo e com mordidas pescoço e nas costas. Apenas duas galinhas conseguiram sobreviver ao ataque'', contou a proprietária do galinheiro, Anne Caroline,

Nova matança de animais ocorre em outro bairro de Curitiba

No último dia 28 de março, os jornais da região metropolitana de Curitiba afirmaram que a Patrulha Ambiental da Guarda Municipal recebeu um chamado para averiguar a matança de animais que foram encontrados dilacerados próximo a Rua Faustino Sabota. Para os especialistas, os animais foram encontrados por um predador não identificado.

Os moradores próximos ao local estão assustados. O ataque ocorreu na Sítio Zacarias, zona rural de São José dos Pinhais, localizada em Curitiba.

Segundo informações, no local do incidente, foram encontrados sem vida “17 galinhas, nove patos, seis ovelhas e um gato”. De acordo com especialistas, os animais forma mortos de forma bem estranha. O que mais vem chamando a atenção dos investigadores é que todos os animais foram encontrados com uma perfuração no peito, porém, sem sangue.

A forte semelhança nos dois casos está intrigando os investigadores. A polícia não descarta a possibilidade de que uma pessoa possa estar por trás da matança dos animais. Em entrevista para TV Band, o proprietário do sítio afirma que não percebeu qualquer ruído na noite do ataque. O caso só foi descoberto pela manhã seguinte. Na ocasião, pode-se perceber também que a grade do viveiro foi parcialmente arrombada para que o predador pudesse entrar no recinto.