De acordo com informações divulgadas pelo Mail Online, uma família decidiu lançar recentemente um projeto de conscientização no Reino Unido depois que uma menina [VIDEO] de apenas 12 anos de idade morreu ao inalar o conteúdo de uma lata de desodorante aerossol.

O caso envolvendo Jessi Anderson aconteceu em 20 de novembro de 2017, na cidade de Quedgeley, situada em Gloucestershire, Inglaterra [VIDEO]. Naquela data, a mãe da vítima, chamada Teresa Herbert (48), lhe deu £ 10 (cerca de R$ 50) para que ela saísse e comprasse comida, e quando a garota retornou à residência, foi direto para o seu quarto.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Curiosidades

Depois de certo tempo, o irmão gêmeo da adolescente, Tom, entrou no aposento de Jessi e encontrou-a deitada na cama com o rosto virado para baixo: ela estava inconsciente, e a família acionou o serviço de emergência local.

A menina chegou a ser levada para o Hospital Infantil de Bristol (Bristol Children's Hospital), mas foi declarada morta na mesma noite do incidente. Posteriormente, concluiu-se que seu falecimento se deu de forma "acidental", consequência de um "trágico erro de julgamento" por ela ter inalado um desodorante em lata que havia comprado.

Segundo informações da mídia internacional, acredita-se que Jessi havia começado a abusar de aerossóis apenas uma semana antes da tragédia.

Algo que parece inofensivo, mas que pode matar

Basicamente, aerossóis são formados por dois líquidos armazenados em uma lata, sendo que um deles é a mercadoria em si (como um desodorante ou inseticida) e o outro é o chamado propelente – geralmente um gás, que sob pressão se torna líquido, e que é o responsável pela impulsão do produto para fora da embalagem.

O problema em relação à composição química dos desodorantes é que esses podem representar riscos à saúde se inalados em excesso – na verdade, existe a possibilidade de desenvolvimento de dependência da substância (como se ela fosse uma droga), o que leva a disfunções renais e, em última instância, a uma parada cardíaca.

Foi exatamente pensando nesses perigos que a família de Jessi Anderson juntou forças com integrantes da escola onde a menina estudava e com assistentes sociais locais para criar o projeto "Jessi Trust", de modo a divulgar informações sobre o risco que os aerossóis representam.

Teresa disse ao Mail Online que em breve a campanha contará com um site, e que outras maneiras de alcançar o público estão sendo analisadas. Contudo, as metas gerais seguem em um mesmo rumo: conscientizar sobre o uso de solventes e outros produtos psicoativos por parte de jovens e crianças, e realizar oficinas (workshops) destinadas a pais e responsáveis a fim de que estes possam identificar os sinais de que seus dependentes estão fazendo uso indevido de substâncias químicas.

Além disso, o Jessi Trust está propondo que um trecho da Lei britânica seja mudada, para que assim desodorantes aerossóis sejam adicionados à lista nacional de itens que não podem ser vendidos a menores de 18 anos.