O Castelo de Windsor foi construído no século XI, pelo rei William, O Conquistador. Ele é uma das residências oficiais da realeza britânica, além de maior, é o castelo habitado mais antigo da Europa. Em 2018, você provavelmente ouviu falar muito sobre o Castelo de Windsor, pois lá se casou Príncipe Harry [VIDEO] com a atriz norte-americana Meghan Markle, no dia 19 de maio.

No entanto, pouca gente sabe que em 1992, o Castelo quase foi totalmente destruído por um incêndio de grandes proporções que teve como causa provável um curto circuito.

Não perca as atualizações mais recentes Siga o Canal Ciência

"Surpresa" e "Horror" foi essa a reação do filho da rainha Elizabeth II [VIDEO] quando a mesma, que não estava presente no momento, quando soube do ocorrido.

Grandes obras de arte de valor inestimável e de pintores renomados como Rembrandt, Rubens, Van Dyck e Canaletto foram retiradas apressadamente e amontoadas no pátio com ajuda de Andrew, o duque de York, o único membro da família real presente no castelo no momento do incidente.

A ala do Castelo de Windsor, onde o fogo começou, estava sendo reformada e a parte elétrica estava totamente exposta, isso explica o fato de o incêndio não ter feito vítimas.

Andrew ligou pessoalmente à rainha para explicar a extensão do incêndio. Isabel II foi imediatamente para o castelo e permaneceu por uma hora no pátio central do recinto. A rainha, como era de se esperar, não fez declarações, mas Andrew disse que sua mãe estava "muito impressionada e muito triste, desolada". Sabe-se que a rainha tem grande apreço pelo Castelo que é considerado seu favorito.

Após cessado completamente o fogo e os danos calculados por especialistas, surgiram uma série de debates A sobre quem deveria pagar pelos reparos e de que forma eles deveriam ser feitos.

A ácida imprensa britânica defendera na época que a própria rainha deveria pagar de os custos do reparo com sua renda particular.

No entanto, após algum debate, uma solução diferente fora encontrada: a restauração seria paga com o dinheiro dos ingressos do Palácio de Buckingham que passaria a ser aberto ao público em períodos específicos do ano e pela aumento nas tarifas para acesso do público às áreas de parque ao redor de Windsor que não foram atingidas pelo incêndio e que o fluxo de vistantes não atrapalharia o trabalho dos profissionais responsáveis pelo restauro.

O programa de restauração foi completado apenas em 1997, ou seja 5 anos após o incêndio, com um custo bastante elevado, algo em torno 37 milhões de libras na época (50,2 milhões de libras em valores de 2009).

O que ver no Castelo de Windsor na Inglaterra

  • Mudança de Guarda – acontece diariamente, às 11 horas da manhã, de Abril até ao fim de Julho (dias alternados no resto do ano, se o tempo o permitir e exceto aos domingos).
  • Aposentos reais – decorados com algumas das mais valiosas obras de arte da Coleção Real, incluindo pinturas de Rembrandt, Rubens, Canalleto e Gainsborough.
  • Capela de São Jorge – sepulcro de dez reis ingleses.