Ser mãe é considerado uma grande bênção para a maioria das mulheres. Muitas esperam pelo momento certo para realizar o sonho. Atualmente, muitas optam por ter uma vida financeira estabilizada antes de engravidar. Isso para que seja possível dar ao futuro herdeiro tudo do bom e do melhor.

No entanto, algo mais importante é necessário para que uma criança seja feliz e saudável. O fundamental é que os pequenos sejam cercados de muito amor e carinho [VIDEO]. Essa informação toda mamãe sabe, pois o resultado é visível. Quando uma criança é criada com amor o seu desenvolvimento é muito melhor.

Mas agora isso foi comprovado cientificamente.

Caso os pais escutem de alguém que dar amor demais é algo que faz mal, podem contestar essa informação. Basta mostrar a impressionante imagem realizada em dois cérebros de crianças.

A imagem da esquerda é de uma criança [VIDEO] de apenas três aninhos. Esse pequeno foi muito amado e recebeu um cuidado primoroso dos pais desde o dia do nascimento.

Já a outra imagem é de uma criança com a mesma idade, porém sem a mesma sorte do citado anteriormente. Essa criança não recebeu amor dos pais, pelo contrário, acabou sendo negligenciada.

Pesquisa comprova que o amor faz toda a diferença

As tomografias foram divulgadas pelo Texas Children’s Hospital, nos Estados Unidos. Os exames mostram claramente a diferença que o amor recebido pelos pais ou responsáveis faz toda diferença no desenvolvimento das crianças.

O cérebro da direita, ficou bem menor e apresenta estruturas mais obscuras. Ele é de um bebê que conviveu com uma família totalmente desestruturada, abusiva. Essa criança passou por um grande sofrimento e acumulou muitos traumas emocionais.

No entanto, o cérebro da esquerda é bem maior em relação ao outro. Ele pertence a uma criança que viveu com familiares amorosos, em um ambiente de afeto e cuidado. As tomografias comprovam cientificamente o resultado negativo que os maus-tratos provocam nos pequenos.

Os impactos na formação do cérebro são claramente visíveis, o da direita é menor do que o normal para a idade, além de ter ventrículos aumentados e atrofia cortical. Na prática isso quer dizer que essa criança vai ter problemas de atraso em seu desenvolvimento. Podendo também ter dificuldades de memorização.

O especialista Bruce Perry, que também é professor e chefe do setor de psiquiatria do Texas Children’s Hospital, explicou em uma entrevista concedida ao Daily Mail que esses bebês apresentam dificuldade de Relacionamento.

No futuro, podem ter problemas na formação de vínculos emocionais, podendo ter problema em suas relações afetivas, sendo extremamente dependentes ou até mesmo se isolando socialmente.

Diferentemente do que muitas pessoas dizem, amor nunca é demais. Quanto mais seguras e amadas as crianças forem, melhor elas vão se desenvolver fisicamente e emocionalmente.