Apesar de tantos maus exemplos dados pelos acusados na operação 'Lava Jato', um grande presente foi dado a cultura do país. O Museu Oscar Niemeyer, que fica em Curitiba, recebeu nesta quita-feira (19), 139 telas apreendidas durante a décima fase da operação. Só do ex-diretor de serviços da Petrobras, Renato Duque, foram apreendidas 131 telas, as outras restantes eram de outro preso nessa mesma fase da operação, o empresário Adir Assad.

Quem sai ganhando é a cultura, pois, já é a terceira vez que o museu recebe obras de envolvidos na operação 'Lava Jato'. Entre elas, estão obras de Alberto da Veiga Guignard, Djanira e Heitor dos Prazeres, dentre outras. Uma mostra, com o título " Sob a Guarda do Museu", está sendo montada para exibir as obras, a partir do dia 14 de abril. Estela Sandrine, diretora do museu, pretende expor todas as obras recebidas.

Segundo ela, só não será expostas todas se a sala do museu não couber.

As obras que foram recebidas terão que passar primeiro por uma quarentena de limpeza, levantamento histórico, ficha técnica e procedência. Se no caso alguma obra apresentar problema, como fungo, não poderá entrar na exposição, pois ocorreria o risco das demais obras serem contaminadas. Se a procedência não for legal, também não poderá ser exposta.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Lava Jato

O Delegado da Polícia Federal, Igor Romário de Paula, falou que as 131 obras que pertenciam a Renato Duque estavam todas expostas em seu apartamento. Ainda foi encontrado no apartamento de Duque, um quarto escondido atrás de um armário, "mas esse era apenas para guardar jóias e documentos da família,", afirmou o delegado.

Algumas pessoas podem está a se indagarem porque essas obras não são leiloadas e o dinheiro ser revertido para obras sociais.

Seria justo, mas se pensarmos bem, veremos que essa medida foi a mais plausível, pois, se leiloassem, as obras iriam parar em casas de colecionadores e, já que foi fruto do nosso dinheiro, nada mais justo que se tornem patrimônio público e fiquem onde possamos apreciá-las.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo