De acordo com o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), somente entre os anos de 2013 a 2016 mais de 11 canis clandestinos foram catalogados e diariamente são relatados de 15 a 20 denúncias de maus-tratos aos Animais no Paraná.

Foi através de informações como estas e de observar o descaso com os animais que diversas ONGs foram criadas na cidade, como é o caso da Associação Vida Animal, fundada por Ernani Guarize e que busca salvar os animais que são abandonados nas ruas da capital paranaense.

Entenda a importância de ter um bichinho de estimação

A veterinária Vanessa Requejo, da CãoMinhando, diz que os benefícios começam logo cedo nas pessoas, pois, ao incentivar com que as crianças tenham seus próprios animais de estimação, faz com que elas adquiram maior responsabilidade e maturidade ao aprender a lidar com doenças e, inclusive, a morte.

Há também estudos sendo realizados nos Estados Unidos que têm mostrado os diversos ganhos que o contato com os animais pode trazer, tanto em reduzir o estresse, ao passear e brincar com eles, quanto em prevenir doenças graves, como depressão e doenças cardiovasculares.

Considere a adoção

Ao adotar um animal de uma ONG de proteção aos animais, além de serem mais econômicos, pois a compra de um animal em um pet shop custa de R$ 500 a R$ 3 mil, de acordo com a raça escolhida, eles possuem gratidão por seus donos ao serem adotados. De acordo com o site da Prefeitura de Curitiba, não há abrigos patrocinados pelo governo.

Com isso, os abrigos não governamentais acabam ficando com superlotação, pois há pouca demanda de pessoas que estejam dispostas a adotá-los. Amanda Dias Ferreira, 26 anos, faz parte do grupo de pessoas que incentivam a Adoção.

Tendo adotado ao longo de sua vida seis animais, ela afirma que não tem coragem de comprar, visto a gratidão que os animais demonstram por ela ao serem levados para casa. “Eles se adaptam rápido ao novo lar. O único caso em que demoraram um pouco mais para se adaptar foi na época em que já tínhamos um animal e adotamos outro. Contudo, hoje eles brincam o dia todo [VIDEO]”, completa.

Em conversa por telefone com Ernani Guarize, responsável pela ONG Associação Vida Animal, que possui cerca de 380 animais, ele conta que os esforços para incentivar a adoção são grandes. “Eu sempre levo os animais em feiras e no Parque Barigui, em Curitiba, mas já tivemos situações em que deixaram animais comigo em vez de levarem os meus”, conta.

Sobre os eventos de doações e como colaborar

Em Curitiba, por exemplo, o site Cão Panheiro faz a divulgação de eventos que ocorrerão na cidade onde as ONGs levarão seus animais para serem adotados e os contatos de pessoas que socorrem um animal na rua, mas que não podem cuidar deles.

A ONG Beco da Esperança, que normalmente abriga felinos, faz bazar e eventos para arrecadar rações e dinheiro para manter os animais.

A Associação Vida Animal fez parceria com diversos pet shops em podem ser comprado os produtos e entregue para a entidade pelos responsáveis do local. Para ajudar as pessoas que não possuem tantos recursos financeiros a cuidar do animal de estimação, há a Sociedade Protetora dos Animais, onde os veterinários cobram valores mais em conta para a população, tanto em consultas quanto em castração.

Funciona de segunda a sexta, das 9h às 12h e das 14h às 20h; aos sábados, das 9h às 15h; e domingos e feriados, das 9h às 12h.

Requisitos para adoção

Os requisitos básicos variam de instituição para instituição, mas basicamente consiste em: ter 18 anos, levar RG, comprovante de residência e, claro, a garantia de que todas as pessoas da família estejam de acordo com a adoção para o bom cuidado do bichinho de estimação em casa.