Há alguns dias fiquei internado em um hospital particular. Toda vez que precisar usar o chuveiro, que era alimentado por água aquecida pela energia solar, tinha que deixar o chuveiro aberto por cerca de 15 ou mais minutos. Só assim poderia usar o chuveiro na temperatura que eu precisava naquele momento. Em quase todos os hotéis que fiquei hospedado até hoje, o cenário foi e ainda é o mesmo. Esses dias na casa de um amigo, o mesmo disse: "Veja como a água fica quentinha na torneira da cozinha." No entanto para ele mostrar, demorou cerca de 10 minutos com a torneira aberta.

Isso me fez pensar e questionar se "Realmente esse sistema, que podemos considerar revolucionário desde seu advento, é funcional? Será que realmente é vantajoso, diante desse cenário de falta de água? Será que isso pode ter colaborado para o aumento do consumo de água e consequentemente os esvaziamentos das nossas represas? Será que os órgãos competentes deveriam começar a pensar em regulamentações e fiscalizações nos sistemas populares e principalmente em grandes hotéis, hospitais e locais de grande uso de água aquecida pelo sistema de aquecimento solar?

Creio que sim e que há outros desperdícios de água mais importantes, mas nos dias de hoje entendo que essa fiscalização deveria ser considerada. Só assim poderemos encontrar meios que sejam mais adequados à nossa necessidade e com isso economizaremos água e energia, aproveitando os recursos naturais disponíveis pois sempre há o que melhorar.

Diante desse questionamento, fica aqui uma dica para mentores e pessoas especializadas no assunto para que a busca para a solução desse problema seja pautada em suas empresas e que isso pode ser fonte de receitas.

Pois o problema ocorre de fato e a solução ainda não é existente, ou se é, ainda não está em todos os locais, o que reforça a necessidade de regulamentações e fiscalizações.

Nossas represas e nossas reservas subterrâneas estão cada vez mais vazias e menores e na verdade isso vem acontecendo ao longo dos anos. Acontece que só agora atingimos níveis críticos chamando a atenção da população e dos órgãos competentes e qualquer ajuda no momento é muito bem vinda.

Não perca a nossa página no Facebook!