Congresso Nacional foi palco de uma terrível batalha entre policiais militares e manifestantes nesta terça-feira (7). O confronto foi justificado como um ato de protesto contra a aprovação do projeto da terceirização pela Câmara dos Deputados. Durante a reivindicação, oito pessoas ficaram feridas e outras quatro foram levadas para a delegacia.

Dois policiais que estavam no confronto também foram atingidos, um teve ferimentos na orelha e o outro levou um corte no rosto, ambos foram encaminhados ao departamento médico que fica localizado na própria Câmara.

Também foram atendidos pelo departamento médico do local um manifestante que teve o rosto cortado, além de um visitante que foi atingido com gás de pimenta.

No momento do protesto dois deputados que tentaram negociar com os manifestantes, Vicentinho (PT-SP), foi atingido com spray de pimenta e Lincoln Portela (PR-MG), que foi revidado com pontapés e socos pelos manifestantes.

O manifesto de trabalhadores e da classe sindical é contra o projeto de lei 4330/2004, engavetado desde 2004 e que desde então vem sendo modificado.

A proposta passa a regulamentar o serviço terceirizado dentro das empresas. Neste contexto, duas visões passam a existir: a do empregador, que justifica a terceirização como um processo necessário para o desenvolvimento da economia do país e do sindicato, que vê um retrocesso trabalhista o projeto em questão, como forma de prejudicar o trabalhador na possível precariedade das condições de trabalho.

Joaquim Levy, ministro da Fazenda, estabeleceu algumas sugestões ao redator do projeto, Arthur-Maia (SD-BA), comprometendo-se a apresentar um novo texto do projeto de lei 4330, previsto para esta tarde, entre as complementações estava a retenção de tributos e impostos na fonte.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Governo Política

Eduardo Cunha também se pronunciou quanto às discussões do projeto, ressaltando que dará o tempo que for preciso para que as devidas conclusões sejam estabelecidas, mas que a Câmara só passará para uma nova pauta depois que esta seja definida, mesmo que as votações sejam interrompidas por uma semana.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo