Conforme o portal G1, o Brasil entrou em recessão técnica. Os dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), nesta sexta feira,28, indicam que o o Produto Interno Bruto (PIB), ou seja, todas as riquezas produzidas pelo país, recuou, novamente, no segundo trimestre.

No primeiro trimestre, o PIB foi de 0,7% negativo e, no segundo, encolheu de novo, agora para 1,9%, negativos. Esse é o pior resultado desde o primeiro trimestre de 2009, quando também registrou queda de 1,9%.

Publicidade
Publicidade

O que acende o alerta para o país, segundo economistas, é o fato do PIB ter recuado por dois semestres seguidos. No entanto, duas quedas negativas consecutivas ainda não caracteriza uma recessão. São necessários outros fatores, como aumento do Desemprego, falência das empresas e queda da produção, para indicar recessão.

Porém, com o desemprego em alta, não dando sinais de redução, as indústrias demitindo ou colocando os empregados em regime de lay off, e a inflação crescente, a economia brasileira passa a preocupar de sobremaneira o mercado.

Publicidade

Todos os setores da economia contribuíram para puxar o PIB para baixo, em comparação com o primeiro trimestre, porém, mais fortemente, a indústria, que teve retração de 4,3%, o serviço de 0,7% e a agropecuária de 2,7%. Do lado da demanda, o consumo das famílias caiu 2,1% e os investimentos 8,1%. Já o Governo, aumentou o gasto em 0,7%.

Do ponto de vista prático, o encolhimento da economia significa que o Brasil empobreceu. Os empresários reduziram os investimentos, o desemprego está aumentando e, por consequência, as famílias estão consumindo menos.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Vagas Governo

A crise política, econômica e ética no governo diminuíram a confiança dos empresários, que estão adiando a decisão de investir, já que o futuro é incerto no país. Os investimentos em máquinas, equipamentos e construção caíram 8,1%, em relação ao primeiros trimestre e 11,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

Esse cenário, somado a inflação alta que corrói a renda do trabalhador, crédito com juros altos e o mercado de trabalho ruim, fizeram as famílias colocarem o pé no freio. Ainda assim, com a economia dando sinais que está agonizando há meses, foi surpresa para o mercado o aumento do consumo do governo em 0,7%, embora o Planalto diga que está fazendo ajustes de contas. 

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo