O Conselho da Petrobras divulgou na noite de segunda-feira, 17 de agosto, a venda de 25% da BR Distribuidora (postos de combustíveis da estatal brasileira). A decisão do conselho foi contra o seu presidente Murilo Ferreira, assim como Deyvid Bacelar, representante dos funcionários no conselho.

A rede de postos de combustíveis da BR Distribuidora ultrapassam 7000 unidades. A empresa era a segunda maior empresa brasileira em faturamento.

Segundo a Reuters a venda era esperada apenas para o final do ano, mas foi antecipada.

A estatal Petrobras quer vender US$ 15,1 bilhões em ativos até o final de 2016 para poder diminuir o valor de US$ 132 bilhões em dívidas. Segundo a UBS Securities, a BR Distribuidora vale cerca de apenas US$ 10 bilhões.

O Conselho da empresa aprovou um plano para a aprovação da CVM para venda, que ainda pode passar de 25% do capital, com lotes adicionais, segundo a ata da reunião que foi divulgada.

Murilo Ferreira, o presidente do Conselho de administração da Petrobras, foi eleito em abril de 2015. Ele foi contra a venda, afirmando que primeiro precisa ser feito um plano de negócios para BR Distribuidora e a contratação de profissionais capacitados em vendas de varejo.

Parece que o descontrole começa a tomar conta da estatal.

Petrolão

A crise na Petrobras se instaurou no Governo do PT. As investigações da Polícia Federal apontam que os diretores da empresa eram responsáveis pelas propinas e tinham obrigação de repassar ao Partido dos Trabalhadores.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo Petrobras

Segundo Alberto Youssef e Paulo Roberto Costa, o pagamento das propinas ao PT garantiam o apoio político necessário para que eles continuam nos cargos. Cada diretor da Petrobras tinha um operador para distribuir o dinheiro entre os companheiros de partido.

Na cadeia

Nesta segunda-feira, 17 de agosto, a Justiça Federal condenou o ex-diretor da área internacional da Petrobras Nestor Cerveró, o lobista Fernando Baiano Júlio Camargo, ex-consultor da Toyo Setal, por corrupção e lavagem de dinheiro.

A ação penal faz parte da Operação Lava Jato.

Nestor Cerverófoi condenado em 12 anos e 3 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Leia mais:

Lucro na Petrobras despenca 90% no último trimestre

Empresa de Lula recebeu mais de R$ 10 milhões de empreiteiras investigadas na Lava-Jato

Impacto da Operação Lava Jato no PIB pode passar de R$ 140 bilhões

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo