O discurso é simples: quanto mais feriados, menos se trabalha. A norma pode valer para países que estão no hemisfério norte, pois os invernos são rigorosos e o tempo no trabalho ajuda a economizar energia nas casas e reduz o número de acidentes individuais, com custo é muito alto, considerando que o inverno dura, em média, oito meses. O Brasil não questionou essa regra, mas ao segui-la reduziu sua economia característica de país tropical. Perde uma grande fonte de renda: o do ócio no lazer.

A identidade brasileira

O primeiro fator positivo é que o Brasil é um país que vive um verão eterno, onde as temperaturas mais frias coincidem com temperaturas do verão da Europa.

Mesmo com esse calor, a arquitetura das novas janelas basculantes em edifícios imita as mesmas que servem para não acumular neve no Norte. O vento não faz curvas e o calor do país leva à instalação de mais ventiladores e aparelhos de ar condicionado do que o necessário. As velhas janelas portuguesas, com quatro folhas e pé direito alto foram esquecidos. O pé direito das casas foi reduzido para garantir o calor interno e tem cada vez menos áreas arborizadas. O Brasil é incompentente de atrair os habitantes do norte durante o período de inverno.

Menos feriados, menor produtividade

Os feriados foram diminuídos na extensão e alguns até banidos. Antigamente, Santa era a semana, que permitia uma semana de alivio aos estudantes, movimentando o transporte e a indústria do lazer. O mesmo ocorria na da Pátria, uma semana dedicada ao lazer com apenas um dia cívico, com as paradas.

Os melhores vídeos do dia

Isso sem falar nos feriados de São João, São Pedro e Nossa Senhora da Conceição. A ocorrência deles permitia uma maior mobilidade das famílias e movimentam a economia nos hotéis, restaurantes, meios de transporte e mercados. Toda uma indústria que pode aproveitar esses dias para gerar mais empregos, mais renda e mais impostos.

Empreendedorismo e lazer

A característica do Brasil é o turismo e o lazer, com um das maiores extensões de praias com águas banháveis do mundo. A ocupação hoteleira entre Natal e Ano Novo chega a perto de 100% demonstrando que existe um mercado por explorar, mas que os políticos não sabem lidar com iniciativa privada ou identidade nacional. O lazer também traz o esporte como um dos elementos agregadores de pessoas, em um país onde o vôlei de praia, o futvolei, o futebol de praia, o surfe, entre outros esportes, trazem medalhas, novas marcas de roupas, novos comportamentos de esporte e também participação em competições mundiais, gerando propaganda gratuita.

Desafios a enfrentar

Vários problemas ocorrem no país: apesar de ter um apelo turístico tão forte, poucas pessoas falam mais de dois idiomas e a grande maioria fala mal o Português.

As escolas não ensinam nem idiomas, nem sobre como atuar como guias turísticos, nem como chefs nacionais, muito menos como empreendedores oficiais, gerando mais impostos e regulando o mercado. As ilhas do golfo do México recebem mais turistas do que um balneário brasileiro. Outro grande problema é o tempo escolar, copiado de modelos estrangeiros, os 200 dias letivos de baixa qualidade escolar, não cumprem minimamente o currículo de matemática, preenchimento de imposto de renda, redação de textos e produção de teatro. Em alguns lugares, a colheita atrapalha a ida do aluno à escola, pois a renda mínima é que importa na família.

O #Governo poderia aproveitar o novo ano para: ensinar espanhol e inglês em tempo integral aos profissionais do turismo; reduzir impostos sobre serviços e auxiliar a criação de empresas virtuais, onde o guia turístico poderia atuar mais livremente e voltar os feriados antigos para distribuir melhor as festividades e a renda. E viva o ócio, pois gera renda. #Desemprego #Crise econômica