É só andar pela rua e notar a quantidade enorme de placas de aluguel para imóveis comerciais disponíveis. São estabelecimentos que estavam ocupados há, pelo menos, dois anos, mas atualmente, estão disponíveis para aluguel. Tratam-se de imóveis pequenos, médios e grandes.

Efeitos da crise

Pouco antes do agravamento da crise, o proprietário de imóvel quepediu reajuste muito acima do IGPM e não cedeu, em renegociação com o locatário, pode estarcom o imóvel vazio até hoje.Alguns proprietários de imóveis comerciais ainda tentam pedir uma parcela de luvas, quando percebe que o locatárioestá conseguindo se estabelecer no imóvel.

Hojea cobrança das luvas está expressamente proibida pela atual lei do inquilinato, aliás, sempre esteve por todas as anteriores, em seu artigo 43, inciso I, onde se lê:

'Art. 43 - Constitui contravenção penal, punível com prisão simples de cinco dias a seis meses ou multa de três a doze meses do valor do último aluguel atualizado, revertida em favor do locatário:I - exigir, por motivo de locação ou sublocação, quantia ou valor além do aluguel e encargos permitidos'.

As empresas tentam se virar como podem, para driblar a crise, mas, recentemente, as "Lojas Marisa" anunciou que está fechando a venda por lojas diretas no Brasil.

Isso significa que mais imóveis comerciais vão estarvazios, sem mencionar que 5 mil pessoas ficarãodesempregadas.

Reajuste

O pior é que o valor acumulado do IGPM até novembro está em 10,09%, enquanto que as vendas amargaram quedas nunca vistas, desde 2002.

Consequências

Um imóvel vazio traz prejuízos a todas as partes:

1- Ao proprietário: que não vai ter a renda gerada pelo imóvel e ainda tem que pagar impostos.

2- O imóvel: que fica muito tempo inativo pode sofrer pichação, depredação, desvalorização do local, dentre outros problemas.

3- A região onde está: que pode ficar carente de serviços ou de comércio próximo.

4- O locatário: que não gera renda e emprego.

5- Por fim, ainda freia a compra e a construção de novos empreendimentos para locação, devido ao excesso de oferta.

Não perca a nossa página no Facebook!